InícioSérie OuroSaravá tia baiana do tabuleiro do acarajé, as baianas da Unidos da...

Saravá tia baiana do tabuleiro do acarajé, as baianas da Unidos da Ponte evocam a tradição do acarajé

A fantasia proporcionou uma oportunidade única para compartilhar e valorizar as tradições ancestrais

As baianas da Unidos da Ponte vieram representando “Saravá tia baiana do tabuleiro do acarajé”, evocando a tradição das baianas do acarajé, que remonta ao período em que as mulheres escravizadas saíam para vender doces e salgados nas ruas durante o século XIX, no comércio do Dendê na Feira de São Joaquim, uma feira muito famosa de Salvador, onde a escola apresentou como o ganho, o que o próprio Samba diz, o ganho do atizo e como esse ganho em cima do Dendê floresceu para esse povo que é o baiano.

Essas baianas são símbolos da cultura e da culinária afro-brasileira, carregando consigo não apenas os sabores tradicionais, mas também a história e a resistência do povo negro. Com o enredo “Tendendém – O axé do epô pupá”, a escola levou os foliões pela fascinante saga do dendê, desde sua origem nas terras africanas até sua chegada no Brasil por meio da diáspora. Algumas baianas deram entrevistas exclusivas ao site CARNAVALESCO, compartilhando sobre a representatividade da fantasia que retrata as baianas que vendem acarajé, sendo rosa, branca, detalhes dourados e um chapéu com o acarajé na cabeça das baianas.

“Eu achei linda essa fantasia porque é cultura. Essa é a minha segunda vez desfilando na Unidos da Ponte e esse enredo está maravilhoso. A escola está bem animada, cantando, evoluindo”, comentou Regina Helena da Silva, de 69 anos.

As baianas destacaram a importância dessa representação para a cultura afro-brasileira e para a celebração do Carnaval, enfatizando a relevância histórica e cultural do acarajé como um símbolo da identidade baiana e afrodescendente. Elas expressaram sua honra em participar desse momento de celebração e reconhecimento de sua herança cultural, através da arte e da expressão carnavalesca. A fantasia proporcionou uma oportunidade única para compartilhar e valorizar as tradições ancestrais, enriquecendo ainda mais o desfile da escola.

Maria Fátima Carvalho da Silva, de 62 anos, que desfila pela primeira vez como baiana da Unidos da Ponte, filha de Iansã, contou sobre a importância da fantasia e desse momento em sua vida: “Primeiro lugar Iansã que é a deusa do Acarajé, é a matriarca e minha santa. Então nós temos que pedir o quê? Muita proteção, fé, paz, saúde, alegria, isso é o que ela mais quer da gente, e que ela esteja com todas as nossas conterrâneas baianas aqui, para nos representar e Acarajé para todos. Esse desfile está muito emocionante e quando chegar lá na frente, é que a gente vai ver como é que é isso”.

- ads-

Série Prata: Botafogo Samba Clube e Tradição sobem para Série Ouro e vão desfilar na Sapucaí em 2025

A Botafogo Samba Clube e Tradição venceram seus dias de desfiles na Série Prata e conquistaram o acesso para Série Ouro e vão desfilar...

Mocidade anuncia renovação do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A Mocidade Independente de Padre Miguel anunciou na tarde desta terça-feira a renovação do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Diogo e Bruna, para o...

Série Bronze: Boi da Ilha é a campeã; sobem para Série Prata também o Império de Nova Iguaçu, Alegria do Vilar e Chatuba de...

Por Lucas Santos e Rafael Soares O Boi da Ilha do Governador foi campeã geral da Série Bronze no Carnaval 2024 e garante o direito...