InícioGrupo EspecialSalgueiro apresenta estética impecável, comissão de frente se destaca, mas evolução pode...

Salgueiro apresenta estética impecável, comissão de frente se destaca, mas evolução pode atrapalhar briga pelo título

Alex de Souza fez mais um grande trabalho plástico e casal de mestre-sala e porta-bandeira também se destacou neste primeiro dia de desfiles do Grupo Especial

Terceira escola a desfilar no Grupo Especial já na madrugada deste sábado, o Salgueiro apresentou conjunto estético impecável de Alex de Souza. Fantasias luxuosas, alegorias grandes e bem acabadas se destacaram na apresentação da escola. A comissão de frente e o casal de mestre-sala e porta-bandeira também brilharam. Contudo, a escola pecou algumas vezes em evolução e a grandiosidade de alguns figurinos pode ter atrapalhado a leitura do enredo, o que pode tirar a agremiação da briga pelo título. A escola se apresentou em 70 minutos. * VEJA FOTOS DO DESFILE

Comissão de Frente

No primeiro ano como coreógrafo do Salgueiro, Patrick Carvalho trouxe 15 componentes na Comissão de Frente da escola, sendo oito mulheres e sete homens. Batizada de Akikanju Ijó, que significa ‘Dança dos Heróis’, em Iorubá, a apresentação se inicia com o próprio solo do Salgueiro. Em cerca de 2m50s de apresentação, o quesito apresentou grande trabalho. Com roupas metálicas, a dança começa por alguns segundos no chão, e logo em seguida todos sobrem para exibição no tripé.

O elemento solta fumaça e os componentes que estavam em cima, descem, e surgem iaôs, que dançam sobre areia jogada ao ar. Na sequência da encenação, Mercedes Baptista, pioneira como mulher negra no balé, aparece dançando e sobe em um queijo erguido por um punho em riste. Por fim, os componentes seguem a dança com bastante sincronia e mais fumaça é liberada. O segmento teve ótima apresentação e arrancou aplausos do público durante os vários atos.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Um dos grandes casais a pisar na Sapucaí nos últimos anos, Marcella Alves e Sidclei vieram nas cores da escola, representando a tradição de ancestralidade da agremiação. As plumas brancas no figurino da Porta-Bandeira remetem a antigos carnavais, que mantém a tradição da agremiação da legitimação da festa preta. Junto a eles, os Guardiões representaram os guerreiros da escola, em vermelho e branco, com estandartes em homenagens a grandes nomes do Salgueiro, como Laíla, mestre Louro e Anescarzinho. Com a parte de cima prateada, os dois tiveram apresentação impecável em todos os módulos, com sincronia e troca de gestos e olhares. Os dois faziam movimentos difíceis parecer fáceis em cerca de 2m10s de apresentação.

Harmonia

Um dos pontos altos do desfile do Salgueiro foi o canto. A escola cantou do início ao fim, todas as alas não economizaram na voz. O samba também pegou na Avenida e foi bastante entoado pelas arquibancadas. As alas coreografadas também estavam com a obra na ponta da língua e cantou bastante junto aos movimentos. Destaque para as alas 2, ‘Quilombolas’, 9, ‘Omolokôs, 12, ‘Festa de Iemanjá’, e 23, ‘Afoxé’.

Enredo

O início do desfile do Salgueiro relacionou a história da própria escola com a luta contra o preconceito racial, no qual a agremiação foi pioneira a partir da década de 1960. Os primeiros momentos do Salgueiro na Avenida tiveram bastante vermelho e branco, e alusão a grandes personagens negros da escola e do Brasil. Já no segundo setor, o Salgueiro abordou as religiões de matrizes africanas, com a presença de alas em representação de orixás, caboclos, omolokô e um grande carro com cores e esculturas de Iemanjá.

Em seguida, o Salgueiro levou para a Sapucaí as manifestações negras em seus vários campos, como a culinária, a dança, a música, a arte e o esporte. No quarto setor, a Academia do Samba reforçou a resistência negra através do canto e da dança, com alas em alusão à escolas de samba, ritmos africanos, blocos afro e gêneros oriundos das comunidades cariocas, como o samba, o charme e o funk. O Salgueiro encerrou desfile com os movimentos sociais de combate ao racismo e de resistência preta, como o AfroReggea e o Nós do Morro. A grandiosidade de algumas fantasias, no entanto, atrapalhou a leitura do enredo em determinados momentos.

Evolução

Calcanhar de Aquiles do Salgueiro nos últimos anos, a evolução foi um pouco problemática para a escola novamente. Logo no primeiro módulo, a agremiação abriu um pequeno buraco entre a ala ‘Palmares Salgueirense’ e o Abre-Alas. No setor 6, outro pequeno buraco se abriu na frente da segunda alegoria. Ao fim do desfile, algumas alas aceleraram o passo no setor 11 sem necessidade, o último carro passou rápido pela cabine, mas a bateria não imprimiu correria e se apresentou por completo.

Samba

Criticado no pré-Carnaval, o samba funcionou muito bem no Sambódromo. Alas e arquibancadas cantavam bastante a obra, que tinha como pontos alto o refrão, o refrão do meio, e de ‘Sambo pra resistir’ até ‘O povo me chama assim’. Uma leve queda de ‘Hoje, cativeiro é favela’ até ‘Lutaram por nós, contra mordaça’ foi percebida, mas sem atrapalhar o desempenho da obra. Emerson Dias e Quinho também fizeram grande trabalho no carro de som e impulsionaram a escola do início ao fim.

Fantasias

Logo na primeira ala, o Salgueiro relembrou grandes enredos pretos da escola, como em 1960, que teve tema ‘Zumbi dos Palmares’. Batizada de ‘Palmares Salgueirense’, a ala traz um estandarte com a logo dos enredos e fantasia com referências africanas em vermelho, preto e branco. A ala das baianas também chamou atenção pela riqueza de detalhes em dourado, vermelho e preto, que representavam as Camélias do Leblon, com buquês de flores nas mãos. A ala 8 também se causou impacto visual, com fantasias grandes e em dourado. Com rostos pintados, o ‘Terreiro de Candomblé’ trazia os orixás para a Sapucaí.

A mistura do prateado com o branco na ala 12, Festa de Iemanjá também foi um dos destaques do conjunto de fantasias de Alex de Souza. A ala 17, ‘O Negro e o Futebol Carioca’ fez uma referência ao futebol ao levar fantasias com alusão ao Bangu e Vasco da Gama, clubes pioneiros na luta contra o racismo nos gramados. Símbolo de resistência cultural negra no país, o bloco Cacique de Ramos foi representado pela ala 25 com fantasia grande e muito bonita nas cores da agremiação.

Apesar do luxo, e da riqueza de detalhes, algumas fantasias soltaram adereços. Muitos búzios, enfeites de palha e outros adereços foram vistos espalhados pela Sapucaí. No setor 6, um componente da ala ‘Irmandades Religiosas’ passou sem a parte da cabeça da fantasia. Durante passagem pela última cabine de jurados, uma componente da ala ‘Tias Baianas’ também passou sem a cabeça da fantasia. Ao perceber os jurados e ser alertada pelas arquibancadas, colocou rapidamente o elemento do figurino.

Alegorias

Com o nome ‘Salgueiro, o Griô do Samba’, o primeiro carro da escola reafirma a agremiação como uma das percursoras da temática negra nos desfiles. Com muito vermelho, branco e prata, trouxe também na alegoria elementos que remetem à africanidade, como zebras, elefantes, lanças e escudos. O grande destaque, além do acabamento e beleza do carro, fica por conta da escultura de Djalma Sabiá, fundador da escola, que morreu há dois anos. O ‘Griô’ ensina jovens negros sobre o legado de luta e resistência do Salgueiro.

Na sequência o Salgueiro levou dois tripés, o primeiro com o nome de ‘Pequena África e a Pedra do Sal’ e na sequência o ‘Oferendas para Iemanjá, ambos muito bonitos e bem acabados. O segundo carro mantém a cor branca como principal do início do desfile do Salgueiro. Nesta alegoria, Alex de Souza aborda as religiões de matriz africana, com vários santos sincretizados com orixás. O destaque do carro vai para as imagens de Jesus e Oxalá, maiores entidades do catolicismo e da umbanda. Alguns símbolos aparecem danificados na alegoria para explicitar a intolerância religiosa. O carro também tinha elementos giratórios, esculturas em movimento e a palavra ‘Respeito’ em dourado na parte traseira.

A terceira alegoria do Salgueiro marca os diversos atos de resistência negra, seja na dança, na arte e na música. A alegoria reproduz o Theatro Municipal com lindas esculturas que fazem alusão a Mercedes Baptista. As composições estavam caracterizadas como as representações da literatura, do teatro, e balé. Na sequência Alex de Souza trouxe a história ainda mais para o Rio de Janeiro ao reproduzir o Viaduto Negrão de Lima na quarta alegoria. No Viaduto de Madureira, a escola levou à Sapucaí a resistência através da música, com as danças do charme e do funk na ala coreografada Maculelê, de Carlinhos do Salgueiro. Este carro, no entanto, estava esteticamente abaixo dos demais.

O Salgueiro encerrou o desfile com uma grande encenação na última alegoria. O carro, chamado de ‘A Resistência Continua’, faz alusão a uma praça pública, e é envolvido por manifestantes que pedem o fim do preconceito racial. Um obelisco com a palavra ‘Racismo’, então é derrubado, para simbolizar a queda desse preconceito. A parte de trás da alegoria ainda remeteu ao Morro do Salgueiro no período de fundação da escola, em menção à favela reproduzida por Arlindo Rodrigues no Carnaval de 1984. Com riqueza de detalhes, o carro parecia mesmo uma grande praça no meio da Sapucaí, com detalhes impecáveis de acabamento. Todo conjunto alegórico do Salgueiro funcionou, causou grande impacto visual e não apresentou problemas.

Outros Destaques

De Cabocla Jurema, a rainha Viviane Araújo também estava com fantasia belíssima, com tons de vermelho e verde e uma pequena onça no ombro. Passistas como Reis e Rainhas da Rua, em alusão a Exu riscaram o chão e apresentaram lindo figurino. Bateria dos Mestres Guilherme e Gustavo apresentou três bossas, fantasia ‘Umbanda – Gira de Caboclo’, com cores em vermelho, preto e dourado, além de uma coreografia onde agachava e colocava os braços pra cima, com punho em riste.

- ads-

Confira a ordem dos desfiles do Acesso 1 de São Paulo para o Carnaval 2025

A Liga-SP definiu na noite deste sábado, em evento na Fábrica do Samba, a ordem dos desfiles do Acesso 1 de São Paulo. As...

Confira a ordem dos desfiles do Acesso 2 de São Paulo para o Carnaval 2025

A Liga-SP definiu na noite deste sábado, em evento na Fábrica do Samba, a ordem dos desfiles do Acesso 2 de São Paulo. As...

Leandro Vieira sobre temática afro nos enredos de 2025: ‘condição raríssima de cidadania e educação pro povo brasileiro’

Tricampeão do Grupo Especial do Rio de Janeiro, o carnavalesco Leandro Vieira publicou nas redes sociais sua opinião sobre a temática afro nos enredos...