Em sua estreia no Império Serrano no Carnaval 2024 o intérprete Tem-Tem Jr. prometeu muita emoção. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, ele contou a pressão de estar a frente da escola da Serrinha, os próximos passos para o desfile, suas referências e sonhos.

“Desculpa que eu estou emocionado e vocês estão vendo. Cantar no Império Serrano é a realização de qualquer cantor da minha idade. Eu venho de família humilde, sempre busquei meus passos, sem pisar em ninguém. Quando a escola me fez esse convite, fiquei muito honrado, muito feliz. Porque a cada ano anterior que eu trabalhei, as agremiações que eu passei, Vigário, Bangu, eu sempre busquei alcançar voo mais alto. Não desmerecendo por onde eu passei, porque eu tenho gratidão por todas elas, mas cantar aqui é diferente. Cantar aqui pra serrinha, desculpa, é diferente”.

O grande Império Serrano, que desceu para a Série Ouro em 2023, está lutando para retornar ao Grupo Especial. Em 2024 com o enredo “Ilú-ọba Ọ̀yọ́: a gira dos ancestrais” promete honrar a bandeira que tem.

“Eu acho que o Império é top quatro na elite do carnaval, em tradição, falando de bandeira, respeitando a todos, claro. É muito triste ver o Império Serrano no Grupo de Acesso. Eu acho que é uma escola de bamba, um chão muito forte. A gente merece estar no Especial. A gente vai brigar, com humildade, e vamos buscar o nosso lugar de volta. Essa diretoria aí é fantástica, não para de trabalhar um minuto. Visitei o barracão, a escola está linda. A gente vai para brigar o carnaval, buscar o nosso lugar de volta. Voltar para onde a gente não tinha que ter saído, que é o Grupo Especial. Sem desmerecer ninguém”, projeta.

A voz do Império entende que seu emocional no fim do ensaio técnico foi, em parte, por conta da pressão de cantar em uma escola de peso. “Quando eu aceitei o desafio, eu sabia a pressão que seria por grandes cantores marcantes que já passaram aqui e grandes carnavais que a escola já fez. Então a cobrança dos mais antigos, me vendo como o mais novo, é muita coisa. Se não tiver a cabeça, se não tiver jogo de cintura, você se perde. Eu busco controlar o emocional na hora do desfile para depois, no final, soltar o que eu estou fazendo agora. Mais uma vez, eu peço desculpas a vocês, mas é tudo isso agora. O filme passa na cabeça, a cobrança dentro desde o início. Os erros, os acertos, que eu acho que os ensaios servem para isso e hoje a gente passou aqui impecável. Acho que o resultado é muito bom para uma escola que sonha voltar para o Especial”, disse o intérprete.

Brilhando junto ao carro de som, a bateria comandada por mestre Vitinho que ganhou destaque em 2023, mostra a sintonia e a ótima relação com o cantor imperiano. “É sensacional a relação. O Vitor é meu irmão, devo muito a ele. Essa bateria aí, rapaziada da diretoria, sempre apoiando, buscando conversar com a minha rapaziada e comigo. Agora mesmo na reta final, a gente fez um ajuste de uma bossa que tava com “delay” pela distância e estava dificultando. O Vitor no penúltimo ensaio falou: ‘Irmão vou limpar ela pra tu, pra ficar mais aconchegante para o teu carro de som’. Eu vou agradecer o Vitor para o resto da vida, que se eu estou aqui hoje, tem dedo dele, que ele foi um dos que pediram e brigou por mim. Não só por isso, sou fã dele”, comenta Tem-Tem Jr. com carinho.

O mestre de bateria que divide o palco com o cantor não é o único que Tem-Tem Jr. tem carinho e gratidão. A inspiração do cantor vem de suas origens, neto de Dinoel Sampaio e filho de Tem-Tem Sampaio. O companheirismo de pai e filho é lindo de se ver, ainda quando cantavam juntos por anos na Inocentes. Ele fala que o pai é o seu ídolo. Além disso, o cantor tem várias outras referências dentro do samba.

“Eu amo todo mundo, é o Tinga, é o Bruno Ribas. É muita gente boa. Zé Paulo é referência para mim, não vou negar. O falecido Jackson Martins. Muita gente boa que eu me espelho e admiro, tantos que já se foram também. Respeito todo mundo, é o que eu falei no início, nunca precisei passar por cima de ninguém. Venho de família humilde, respeito todo mundo. Trago na mão de Deus e vou trabalhando. Eu acho que chegou minha hora de estar aí pra trabalhar”.

O seu estilo de cantar diz muito sobre sua carreira e vivência. Ele conta uma história inédita na entrevista. “O meu avô, Dinoel Sampaio, um dos autores da “Lenda das sereias”, do Império Serrano, projetou o Jackson Martins. Meu pai tem um timbre muito grave, eu tenho um timbre agudo. Quando eu iniciei falavam: ‘Esse garoto tem um timbre muito parecido do Jackson’. Eu sempre me escondi para não falar disso, para não pensarem que eu quero me aproveitar disso. O Jackson Martins começou a cantar dentro da casa do meu pai, do meu avô, dos meus avós. Aquela referência do Jackson, ele pegou do meu avô o jeito agudo de cantar, mas meu avô não seguiu na carreira cantor, seguiu como compositor. Ganhou grandes sambas marcantes na Beija-Flor, no Império, Em Cima da Hora e em diversas escolas. E eu me espelho muito, não tenho vergonha de falar. O falecido Jackson Martins, que querendo ou não, faz muita falta no nosso carnaval. É uma referência muito importante para mim”, completou sobre suas inspirações.

Os elogios desde que assumiu o posto oficial de intérprete da Império Serrano vem crescendo. “Eu sempre recebi os melhores conselhos dessa rapaziada. Porque eu sempre respeitei a todos, entendeu? Não fico em rede social atacando. Respeito muito o trabalho e o espaço de todo mundo. Acho que eu ganhei o carinho dessa galera e o esforço do trabalho também, a qualidade. A gente sempre busca fazer as coisas com perfeição, com atenção e vem dando certo nos últimos anos. Eu espero brilhar aqui no Império Serrano e ficar aqui por muitos anos. Tem gente falando que eu vou sair, vou para outro lugar. A diretoria hoje é feliz comigo. Eu estou feliz nos braços dos imperianos. A gente vai trabalhar muito forte para buscar esse caneco. Meu sonho hoje é ser campeão com o Império Serrano”, desabafa o cantor com emoção.

Os sonhos são muitos para aqueles que estão à frente do carro de som, principalmente, ter a sua voz no Grupo Especial. Tem-Tem Jr conta sobre esse sonho: “É cedo para falar disso. Eu vou deixar para depois do desfile, as pessoas que me apoiam e torcem por mim, aqueles que tem o poder maior de poder apontar e dizer se eu mereço. Com a minha idade é o sonho de qualquer cantor da nova geração alcançar o grupo especial. Tiro referências com meus amigos que já conquistaram o Pitty de Menezes e o Nino do Milênio que já passou pela Tuiuti. Diversos cantores novos que alcançaram esse altar. Eu tenho esse sonho, mas é muito cedo para me ficar apontando se eu mereço ou não mereço. Vou deixar o povo falar e só vou agradecer a Deus e meus orixás, por me proteger e me abençoar”.