InícioSão PauloPor um segundo, Camisa 12 estoura tempo em desfile com ocorrências, bom...

Por um segundo, Camisa 12 estoura tempo em desfile com ocorrências, bom samba e exibição segura do casal

Agremiação teve o segundo carro danificado após choque com uma das grades da passarela e Evolução tentando compensar morosidade da comissão de frente

Por Will Ferreira e fotos de Fábio Martins

Quem acompanhou o início do desfile da Camisa 12 jamais poderia esperar pelo final do mesmo. Com uma comissão de frente muito bem celebrada e um abre-alas extremamente imponente, a escola começou a exibição impressionando. Com os primeiros componentes evoluindo morosamente, um acidente com o segundo carro alegórico, um passo bastante apertado nos últimos dez minutos e o estouro do cronômetro em um inacreditável segundo (!), cabe ressaltar o bom apresentado pelo samba-enredo, a boa condução por parte de bateria e ala musical e uma noite bastante segura do casal de mestre-sala e porta-bandeira ao defender o enredo “Meu Black é de Rei, Minha Coroa é de Chico. Chico Rei Entre Nós”, sétima agremiação a desfilar no Grupo de Acesso II neste sábado.

Comissão de Frente 

Com um ator representando Chico Rei, a comissão de frente investiu na dança e em uma coreografia bastante expressiva, e não em tripés alegóricos – como muitas coirmãs. O protagonista do enredo, por sinal, era cortejado por alguns “súditos” em um trono que evoluía na avenida. A coreografia, em dois atos, era revezada entre dois grupos distintos de componentes – ambos dourados: um que trazia um cabelo black power com detalhes dourados; outra simulando pepitas de ouro no cabelo e que abria um display com iminentes personalidades afrodescendentes – como Madrinha Eunice e Hélio Bagunça. O grande ponto de atenção do segmento coreografado por Yaskara Manzini foi a Evolução bastante morosa do segmento, que chegou à Dispersão com cerca de quarenta minutos – apenas dez antes do tempo-limite.

Mestre-sala e Porta-bandeira

Se, no ensaio técnico da agremiação, Luã Camargo e Estefany Righetti focaram na segurança, ambos vieram com bem mais energia no desfile oficial – sem Sol, com pouco vento e temperatura agradável. Em nem um dos quatro módulos foram perceptíveis erros de execução e todos os balizamentos obrigatórios foram cumpridos – sendo que, em todos eles, o casal fez três sequências de giros. O figurino também ganhou destaque, com o amarelo ganhando companhia do azul – já que o ouro encontrado em Minas Gerais durante o ciclo da mineração também vinha de lagos e rios. No caso de Estefany, a barra da saia tinha tons mais terrosos – e um lado do figurino não tinha mangas, enquanto o outro possuía.

Enredo

Repleta de mensagens antirracistas, a história de Chico Rei foi contada pela Camisa 12 com um grande leque de situações. No primeiro setor, a história da mítica figura foi contada; depois, veio a hora de exaltar a resistência afrodescendente e falar sobre a presença da negritude durante o Ciclo da Mineração – e, em menor proporção, em toda a história nacional a partir de então; por fim, exaltar pessoas que, de acordo com o enredo, são herdeiros de um dos afrodescendentes mais conhecidos da história do Brasil – e, aqui, a escola optou por focar em ramos de atuação, como a imprensa e o teatro. O segundo carro era mais específico, com nomes de figuras importantes da história do Brasil que representam o legado de Chico Rei – como Leci Brandão e Emicida. Vale destacar, também, que tal fio condutor foi bastante utilizado no documentário “Chico Rei Entre Nós”, que conta com uma canção do rapper citado na linha anterior.

Alegorias

O abre-alas da agremiação, “Reino do Congo e Sequestro”, era bastante expressivo em todos os pontos possíveis: bastante alto e com três chassis acoplados – e alguns componentes que vinham no chão entre o primeiro e o segundo. Com predomínio do azul, a alegoria espantou a todos pela opulência e pelo bom gosto em esculturas e na confecção – repleto de tiras para emular o mar, com direito a uma caravela que fazia menção à chegada de Chico Rei ao Brasil em um navio negreiro. Importante notar, entretanto, as rodas aparentes no primeiro chassi.

O segundo carro, “Chico(s) Rei(s) entre nós”, com muitos tons de amarelos, trouxe uma série de desafios. Logo nos primeiros espaços da passarela, a alegoria bateu em uma das grades e teve uma parte do acabamento arrancado, ficando com madeiras à mostra. O nome de Abílio Ferreira, um dos escolhidos como um dos “descendentes” de Chico Rei, também estava dobrado por uma das tantas bolas emulando pepitas de ouro no carro.

Fantasias

Com muitos tons de amarelo, a Camisa 12 teve bastante detalhes em costeiros e ao longo do conjunto de fantasias no geral. A roupa de cada uma delas também variava: algumas tinham tecidos mais simples, outras possuíam mais detalhes – como a ala 10, “Caifazes”. Também é importante pontuar a Ala das Baianas, “Black da Alforria”, inteira em um tom mais fosco de dourado – e quebrando com extremo bom gosto o brilho na roupa de outros componentes.

Harmonia

Se o canto da agremiação preocupou no ensaio técnico, realizado sob muito Sol, a escola claramente evoluiu e mostrou estar habituada à madrugada. Vale destacar que a agremiação começou a cantar o samba-enredo de 2024 cinco minutos antes do cronômetro ser disparado, deixando a escola mais “quente”. Ao longo de todo o desfile, a agremiação teve bom volume vindo dos componentes – uma das poucas exceções foi a ala 08, “Coroação de Chico”, coreografada e que focou na dança, não na canção.

Samba-enredo

Sem muitos cacos ou exagero em rimas, a canção foi dividida da seguinte maneira: a primeira estrofe narrava o que acreditam ser os primeiros momentos da vida de Chico Rei, já com toda a temática da luta por direitos e cidadania em foco; a chegada da figura na cidade mineira de Ouro Preto, com a igreja de Nossa Senhora do Rosário como pano de fundo, é o tema do refrão do meio; enquanto a segunda estrofe da obra conta toda a mensagem de resistência que Chico Rei traz para os afrodescendentes – além, é claro, de exaltar a própria icônica figura. Na avenida, viu-se uma condução correta de Tim Cardoso e um pouco mais irreverente de Clóvis Pê, que tentava empolgar componentes e público com mais cacos que o companheiro de microfone.

Evolução

Ao falar da comissão de frente da agremiação, foi destacado que a Evolução tinha andamento moroso – o que já começou a preocupar. O recuo de bateria da escola foi outro prenúncio negativo: embora feito com um movimento bem simples, a ala seguinte não foi muito célere em ocupar o espaço deixado pelos ritmistas – em dinâmica que demorou cerca de cento e cinquenta segundos. Para tentar recuperar tempo, a escola, claramente, começou a apertar o passo após a saída da comissão de frente. Tal situação fez com que a agremiação deixasse alguns buracos consideráveis na avenida – como, por exemplo, à frente do segundo carro alegórico nos Setores A e C. Uma das cenas mais dramáticas foi a ala 11, “Imprensa Negra”, composta por diversos componentes PCD que, nitidamente, precisou ter um andamento bem mais acelerado do que quando começou a exibição. Mesmo com todos os esforços, o destino foi cruel com a agremiação, que encerrou seu desfile com cinquenta e um minutos cravados – sim: apenas um segundo tempos do tempo-limite.

Outros Destaques

Bateria da agremiação, a Ritmo 12 contou com duas destaques na corte: Vanessa Aggio (rainha) e Mayra Ribeiro (musa).

- ads-

Excelência consecutiva no Salgueiro! Nota 80 em Harmonia, Alemão do Cavaco fala do trabalho no carro de som da escola

O samba-enredo do Salgueiro foi muito comentando no pré carnaval, sendo considerado um dos melhores da safra de 2024. A obra ganhou popularidade após...

Unidos de Vila Isabel abre inscrições para cursos gratuitos na quadra

A Unidos de Vila Isabel já está com inscrições abertas para a nova fase do projeto social conduzido por meio do Instituto Celeiro de...

‘Roteiro dos Desfiles’: 15 anos promovendo o carnaval da informação’

O Roteiro dos Desfiles vestiu a fantasia e trouxe seus destaques para mais uma edição exclusiva da publicação mais querida da Sapucaí. Celebrou seus...