O intérprete Neguinho da Beija-Flor quebrou o silêncio e falou com exclusividade ao site CARNAVALESCO sobre o caso envolvendo a cantora Ludmilla. Após a artista participar do desfile de 2023 da azul e branca de Nilópolis, ela não irá integrar o carro de som da agremiação no próximo ano. De acordo com a nota oficial divulgada pela escola, a decisão teria sido tomada por ambas as partes e a razão seria os compromissos profissionais da cantora que comprometeriam a participação dela na preparação para o carnaval. Ao comentar sobre o assunto, Neguinho confirmou que a agenda de trabalho teria sido o motivo e negou a existência de qualquer briga.

Fotos: Allan Duffes e Nelson Malfacini/CARNAVALESCO

“Evitei me pronunciar antes, porque não ia adiantar, ficaria em um bate-boca. Deixei esfriar para agora falar através do CARNAVALESCO para que ficasse tudo esclarecido. O que aconteceu é que a conversa foi a mesma que eu tive quando convidei a própria Ludmilla, além da cantora Karina, e ela não pode aceitar devido aos compromissos profissionais. Esse primeiro convite foi no ano retrasado. Na época, veio a Karina e a Jéssica. Eu queria vim com três cantoras, no caso seria a Ludmila, a Karina que veio no carro de som e a Jéssica que já é da escola. Em 2023, a Ludmilla pode estar com a gente, porque houve uma brecha na agenda dela e foi super legal a participação. Claro que não existiu briga entre eu e a Ludmilla. Repito, dessa vez, aconteceu a mesma coisa da primeira, que os compromissos são muitos e ela não pode deixar de cumpri-los. Volto a dizer que não houve briga e nem coisa nenhuma. Ela me avisou que em 2024 não daria por motivo de agenda e perfeitamente entendi, aceitei. Ludmilla continua sendo a minha rainha. Deus me livre de briga, jamais”, afirmou Neguinho.

Apesar disso, veículos de imprensa divulgaram outras versões sobre a não continuidade da parceria entre Neguinho da Beija-Flor e Ludmilla. Uma delas dizia que a artista teria sido cortada do carro de som da azul e branca depois de o intérprete oficial supostamente ter tido uma “crise de vaidade”. Na conversa com a reportagem do site CARNAVALESCO, o cantor e compositor nilopolitano rebateu essa versão, destacando o histórico envolvendo outras participações de nomes ilustres que entoaram sambas ao seu lado na Marquês de Sapucaí.

“Vaidoso não divide holofote, não divide brilho. Se eu realmente fosse vaidoso, não teria convidado lá atrás o grupo musical “As Gatas”, ainda no meu começo com a Beija-Flor, e nem teria convidado outros intérpretes como Bruno Ribas e meu irmão Nêgo, que hoje é uma das grandes vozes do carnaval. Além desses, se eu fosse vaidoso, não teria convidado em 1999 o Belo, no auge da carreira, a própria Ludmilla ou a cantora Karina. No meu entender, vaidade não divide foco. O cara quando é vaidoso, ele quer brilhar sozinho, não faz o que eu faço desde sempre na minha trajetória. Nunca vi um repórter dizer algo como neste caso, de que teve uma informação de que eu afastei por vaidade. Se isso fosse verdade, não traria todos esses convidados que sempre trouxe no carro de som ao longo da minha carreira”, declarou o intérprete.

Foto: Nelson Malfacini/CARNAVALESCO

Neguinho da Beija-Flor também aproveitou para negar ter ficado magoado com Ludmilla por não ter sido citado por ela em uma entrevista para o programa “Conversa com Bial”, da Globo. Segundo o intérprete, ele somente não teria compreendido qual foi a razão da cantora não ter mencionado a escola e nem a participação dela no carro de som. No entanto, isso não teria relação com a decisão de ela ficar de fora do carnaval do ano que vem.

“Quanto ao programa do Pedro Bial que a Ludmilla participou, não fiquei aborrecido por ela não ter me citado. Eu reparei que ela não falou absolutamente nada da Beija-Flor, não sei se não teve tempo ou outra coisa. Realmente, fiz um comentário sobre ela não ter mencionado esse momento dela na Avenida com a escola, não comigo, e que não entendi. Acho que ninguém entendeu o porquê dela falando de samba não ter citado algo tão importante como a experiência de ter cantado em um desfile oficial da Beija-Flor. Não fiquei aborrecido com isso, só não entendi. O que saiu na imprensa foi que eu afastei a Ludmilla por ela não ter me citado no programa do Bial. Não tem nada haver. Para mim, ela me cita ou não é indiferente, eu não entendi a razão dela não ter comentado sobre momento dela na Avenida, com a escola de samba, no maior espetáculo audiovisual a céu aberto do planeta”, explicou Neguinho da Beija-Flor.

Na entrevista, o intérprete novamente assegurou que a ideia de ter Ludmilla no carro de som da Beija-Flor no Carnaval de 2023 partiu dele e não foi uma imposição da direção da escola. Ele ainda afirmou que depois da repercussão deste caso não pretende convidar mais artistas consagrados para integrar o time de cantores. Além de evitar novas polêmicas, a intenção de Neguinho é valorizar as pratas da casa e dar espaço para quem está começando agora.

“Nas reportagens que saíram disseram que a Beija-Flor afastou a Ludmilla do carro, que a decisão teria sido minha por vaidade… É o tal negócio, ninguém afastou a Ludmilla, não existe isso de que eu tirei ela. Primeiro, ela não é do carro de som da Beija-Flor, ela é minha convidada. Com muita honra, ela atendeu o meu pedido e veio me dando essa felicidade. Porém, ela nunca fez parte do carro de som. Segundo, que não afastei ninguém. Se eu afastasse o Gilson Bacana, o Nego Lindo, a Jéssica, os cantores que vêm comigo, aí sim poderiam dizer isso. Como é que eu vou afastar alguém que não era do carro? A Ludmilla me deu a felicidade e o prazer de aceitar o meu convite. Você não pode tirar nada de quem não tem. Ela era a minha convidada. Então, para evitar esse tipo de polêmica, não vou convidar mais ninguém, vou investir em quem está começando ou nos que já estão comigo há anos. Por exemplo, o garoto que veio de Campos, o Wendel, o Neguinho Júnior. Tem também o Nego Lindo, que gravou comigo um grande sucesso que está explodindo agora. Fiz questão de trazer ele cantando o ‘Ama Direito’, que já está aí no mundo inteiro, na boca do povo. Já gravei com a Jéssica também… Vou investir nessa galera para evitar esses tipos de comentários deturpantes”, pontuou o cantor.

Em 2024, a Beija-Flor de Nilópolis terá como enredo “Um delírio de Carnaval na Maceió de Rás Gonguila”, assinado pelo carnavalesco João Vitor Araújo. Na ocasião, a Deusa da Passarela será a segunda agremiação a passar pelo Sambódromo da Marquês de Sapucaí no domingo, dia 11 de fevereiro, pelo Grupo Especial. Esta será a primeira vez que a azul e branca desfilará nesta posição.