Claudinho e Selminha Sorriso formam o casamento e sintonia perfeita do casal de mestre-sala e porta-bandeira. No carnaval 2022, a dupla da Beija-Flor completa 30 anos de parceria e cumplicidade. Agradecendo e celebrando cada ensaio de quadra, os ensaios técnicos e também todos os desfiles que eles chegaram até aqui. Passando por dificuldades juntos, superando e aprendendo um com o outro é um pouco do que define a amizade do primeiro casal da azul e branco de Nilópolis. Mesmo com dificuldades, o que prevalece é o sentimento de parceria.

Fotos: Allan Duffes/Site CARNAVALESCO

“Criamos nossos filhos juntos, nossa família é unida, tem todo o casamento, claro que é de um casal de mestre-sala e porta-bandeira. Somos muito amigos, óbvio que não pensamos iguais e temos ideias diferentes. Porém, o amor pela arte, pela escola, pela bandeira que defendemos nos faz sempre nos superarmos, sempre encontrando um ponto de equílibrio”, diz Selminha.

Para a porta bandeira é ótimo ter um equilíbrio na relação deles, como se fosse um casamento, só que de mestre-sala e porta-bandeira. “Tem que se equilibrar, se encontrar, um vibrar pelo outro, puxar quando tem que ser puxado, é toda uma magia de uma relação linda”.

Depois de dois anos sem ter carnaval por conta da pandemia da Covid-19, estar na Sapucaí desperta uma emoção profunda nos sambistas e com o mestre-sala Claudinho não foi diferente. “É algo maravilhoso. Acho que a gente estava com fome, com sede disso, depois de tantas vidas perdidas. Esse carnaval, esse ensaio técnico é para celebrar a vida, por isso estamos aqui”, conta o sambista.

Já Selminha enfatiza o quanto é importante cuidar da avenida e das pessoas que passam por lá. “Aqui é um templo, onde temos que saudar os deuses e pedir passagem. Entender que é sempre um desafio, que os guerreiros que passam por aqui estão passando por um desafio, é incrível como é mágico”.

A emoção é o sentimento que se faz presente em todos que voltam a pisar novamente na Sapucaí, muitos se prepararam para estar lá e a primeira porta-bandeira da Beija-Flor foi uma dessas pessoas. “Tem que ser reverenciado. Ver a comunidade toda, o respeito, foi muito emocionante. As pessoas respeitam a imagem, a dança, a história. Por mais que você se prepare, é preciso redobrar o preparo. É na emoção, é no canto, é na dança, é na fantasia. Alguma coisa você tem que se desdobrar e falar: eu mereço estar aqui, muito obrigada por estar aqui”, relata Selminha.

Com 30 anos de parceria, a sintonia do casal é muito boa. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, a dupla contou que o casal tem uma disciplina incrível e o dinamismo necessário. Com 48 anos de idade, Claudinho dança como se tivesse 20, o bailado, a proteção, firmeza e cuidado com Selminha são algumas das qualidades que o mestre-sala possui. No total eles têm quase 52 anos desfilando, enfrentando limitações, mas no final o que vale é o amor, a força e a garra que ambos possuem pelo pavilhão.

Amor fraterno, amizade e companheirismo são alguns dos tipos de amores que Selminha tem por Claudinho. De acordo com a porta-bandeira, eles vão envelhecer juntos e compartilhar histórias com a galera mais jovem. “Sempre vai ter o meu amor, amor de irmão, de porta-bandeira, de amiga. Vamos ficar velhinhos juntos, contando histórias, compartilhando conhecimento. Estamos aprendendo ainda, mas com o pouco que a gente sabe compartilhamos com os mais jovens. Eternizando nossas histórias e compartilhando conhecimento e experiências”, explica a sambista.

Religioso, Claudinho diz que tudo acontece com a permissão de Deus. Seja nos ensaios de quadra, rua, ensaio técnico e no próprio desfile, ele agradece muito por estar ali. “Porque Deus tem um propósito em nossas vidas e só temos a agradecer a ele. E que venha o desfile sobre as bênçãos de Deus”, afirma o mestre-sala.

De bailado em bailado, coreografias e danças sempre na temática do enredo. O experiente primeiro casal nilopolitano sabe muito bem quais são os seus limites e também como surpreender a todos. No ensaio técnico na Sapucaí, a dupla não apresentou a coreografia pro desfile e deixou um gostinho de quero mais para o público presente. Claudinho comentou a decisão: “A coreografia não é oficial, a gente colocou alguns pontos que vamos usar no dia do desfile. Tem muita surpresa ainda. Mas colocamos 50% que é nosso condicionamento físico”.

Foto: Eduardo Hollanda/Divulgação Beija-Flor

Por fim, essa dupla é consagrada e muito respeitada por todos os sambistas. Esses 30 anos dizem muito sobre toda a sintonia que possuem e esperamos ver Claudinho e Selminha brilhando na Sapucaí por muito tempo. Para que assim possam abrir portas para o pessoal mais jovem compartilhando experiências e o conhecimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui