O Sesc Madureira exibe, de 23 de setembro a 10 de dezembro, a Exposição Cartografias de Augusta. A mostra apresenta o acervo e o legado artístico da carnavalesca Maria Augusta Rodrigues, de 81 anos. A exposição presta uma homenagem ao itinerário da artista e a sua dedicação à maior festa popular do país. A carnavalesca é responsável por apresentações históricas do carnaval, como “Domingo” e “O Amanhã”, ambas na União da Ilha do Governador. Pelo Salgueiro, participou das comissões de carnaval que marcaram época durante as décadas de 1960 e 1970. Além do período da Revolução Salgueirense e da Ilha, Augusta teve passagens por Tradição, Paraíso do Tuiuti e Beija-Flor de Nilópolis. A curadoria é de Eduardo Gonçalves e Leonardo Antan e produção do coletivo Carnavalize. A mostra foi contemplada pelo Edital de Cultura Sesc RJ Pulsar.

Foto: Divulgação

“É muito importante lançar um olhar sobre a trajetória de Maria Augusta no Carnaval, trata-se de um nome pioneiro e responsável por inúmeras transformações. Além de ser um dos poucos nomes femininos entre os “grandes carnavalescos da festa”. Seu trabalho ficou marcado pela originalidade e sempre esteve à frente do seu tempo. Foram desfiles com temas inéditos, uma linguagem lúdica e formas arrojadas. O revisitar da sua obra na exposição ressalta a atualidade do seu legado, que segue influenciando jovens artistas”, destacam os curadores que fizeram uma vasta pesquisa no acervo da homenageada durante mais de três meses para selecionar as obras.

A exposição conta com desenhos, documentos, projetos e registros das produções da artista ao longo de sua carreira. A mostra visual também é composta por obras inéditas de outros integrantes das escolas de samba, demonstrando como o trabalho de Augusta ainda ressoa nas produções contemporâneas do carnaval. Além disso, a presença de artistas oriundos de outras linguagens simboliza um intercâmbio entre a cultura popular e elementos da cultura canônica. São alguns dos nomes da mostra: Alex de Souza, Carila Matzenbacher, Jorge Silveira, Julia Gonçalves, Mulambo, André Vargas, Felippe Moraes, Andrea Vieira e Penha Lima.

O projeto é realizado pelo Carnavalize, coletivo que valoriza os aspectos culturais e artísticos do carnaval brasileiro, incentivando o processo de resgate da história de uma das nossas mais importantes manifestações. Além de um trabalho realizado em diversas redes sociais e em site com ensaios e crônicas sobre a folia, o projeto atua como selo literário e produtor cultural. Ao longo dos últimos anos, realizou uma série de eventos, exposições, palestras, seminários, oficinas, intervenções urbanas e rodas de conversa sobre grandes personalidades e artistas da folia, além de promover discussões sobre os rumos e a memória das escolas de samba. A múltipla equipe idealizadora de curadoria e produção é integrada por Ana Elisa Lidizia, Alice da Palma, Débora Moraes, Eduardo Gonçalves, Felipe Tinoco, Jacqueline Melo, Leonardo Antan e Thomas Reis.