A Mocidade Unida da Mooca foi a terceira escola a passar no Sambódromo do Anhembi, em desfile válido pelo Grupo de Acesso 1. Com um enredo afro, a agremiação fez um desfile correto, buscando se manter dentro do esperado pelo regulamento. Destaques para a cabeça da escola, onde a comissão de frente fez grande apresentação e contou com um gigantesco carro Abre-alas, e presença do intérprete consagrado Ito Melodia no carro de som. A apresentação do enredo “Aruanda – O Eterno Retorno” foi finalizada em 55 minutos, com grande tranquilidade.

Comissão de Frente

Um ritual de invocação marcou apresentação da comissão de frente. A coreografia contou com o apoio de um tripé que servia de templo, onde Exu, protegido por anjos guardiões, observava a todos e adentrava na pista para liderar as incorporações de filhos de santo por Zé Pilintra e Preto Velho. Nesse momento, os personagens eram vestidos rapidamente e assumiam um estilo único, sempre um de cada vez, e eram seguidos em uma apresentação pelos demais componentes. A interpretação durava exatas duas passagens do samba, e foi uma bela maneira de iniciar um desfile com essa temática, que foi assinada pelo coreógrafo Nildo Jaffer.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Jefferson Gomes e Monalisa Bueno defenderam o pavilhão principal da Mocidade com uma apresentação segura e bem sincronizada. O casal, que representou Exu Mensageiro e o Poder da Fé, eram protegidos por guardiões vestidos de “A Nobreza da Noite” e compuseram belo conjunto. A dança foi bem executada em frente a diferentes módulos, o que pode ser um bom sinal nas pretensões da escola.

Harmonia

Esperava-se mais do canto da escola com base no visto nos ensaios. Foram percebidos clarões em diferentes momentos, e não houve grande destaque de alguma ala no quesito. O samba foi bem interpretado pelo carro de som, mas a comunidade aparentou não corresponder à altura, o que acabou fazendo a bateria fazer uma apresentação mais conservadora. Pode ser um quesito problemático na hora da apuração.

Enredo

De leitura fácil, o desfile começou apresentando Luanda antes da chegada dos europeus, cuja invasão foi representada pelo carro Abre-alas. A partir desse momento, o público é apresentado a diferentes figuras que compõem a falange de Aruanda, que é o nome que foi dado pelos escravos ao local sagrado onde as entidades se localizam e tem origem no desejo de retornarem a sua terra natal. Por fim, diferentes manifestações culturais das religiões de matriz africana são representadas, no desfecho de um desfile linear e didático.

Evolução

A Mocidade não precisou correr para finalizar seu desfile e passou com tranquilidade, mas alguns erros básicos em diferentes pontos foram observados. A ala Boiadeiros perdeu-se na organização em frente ao segundo carro da escola, e ficou visivelmente disforme na região do segundo módulo, a ponto de os chefes de ala repreenderem severamente os componentes. Logo após a saída do primeiro recuo, a bateria arriscou uma bossa, mas para isso parou de andar, enquanto a ala da Congada acabou avançando por um trecho considerável.

Samba-Enredo

O samba da escola da Mooca conseguiu contar com clareza os diferentes momentos do desfile. O rendimento na pista, porém, ficou abaixo do esperado e transmitiu uma frieza inesperada para o nível da obra. O carro de som ficou devendo e não apresentou nenhum momento de grande destaque, tendo atuação muito protocolar.

Fantasias

Ponto forte da escola na apresentação, o público foi agraciado com um belo conjunto de fantasias. O desfile começou muito bem, com a ala das baianas representando as águas das praias de Luanda, a espuma branca e nzimbos, conchas que eram utilizadas como moeda de troca pelos povos da região. Com grande volume, as roupas dos componentes formaram um belo tapete colorido por toda a avenida e eram de fácil leitura, todas dentro da proposta do enredo.

Alegorias

A Mocidade iniciou seu desfile com um carro Abre-alas imponente, que retratava a chegada dos invasores nas praias de Luanda. Composto por dois eixos, retratou com qualidade a proposta do enredo e serviu para dar um gás inicial no desfile da escola. Os demais, porém, ficaram em um nível abaixo do primeiro e foram de difícil leitura, além de acabamento explicitamente mais simples.

Outros destaques

O discurso do presidente da agremiação, Rafael Falanga, marcou o início da apresentação da escola ao fazer uma crítica velada ao julgamento do carnaval de 2020, onde na visão dele a Mocidade fez um carnaval “campeão”. À frente da bateria, a rainha Camila Silva interagiu com o público e fez a sua parte para levantar o astral da apresentação, no geral, segura da Mocidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui