Produtor musical, instrumentista, músico conceituado e mestre de bateria da Vila Isabel. Além de tudo, é um nome bastante respeitado no mundo do samba. Competências que gabaritam Macaco Branco a estar, pelo terceiro ano consecutivo, produzindo o álbum da Liga RJ. Depois do sucesso nas duas últimas edições, a Liga decidiu manter a equipe, que também contempla o técnico de gravação, mixagem e masterização Maurício Fonseca, dono do M&C Studio em Marechal Hermes, local em que acontecem as gravações, onde também o produto final é mixado e masterizado. Formado como produtor musical pelo IATEC (Instituto de Artes e Técnicas em Comunicação), e há alguns anos músico que acompanha a cantora Mart’nália, Macaco Branco, em entrevista ao site CARNAVALESCO, durante as gravações, falou mais sobre a confiança que a Liga Rj depositou em seu trabalho.

“Para mim é um prazer imenso estar produzindo pelo terceiro ano consecutivo esse álbum. Hoje em dia não é mais mídia física, é um álbum de áudios para colocarmos nas plataformas digitais e com isso divulgarmos todos os sambas da Série Ouro. Eu só tenho que agradecer a Deus e aos orixás, também ao presidente Wallace Palhares por confiar no meu trabalho e de toda a minha equipe. Claro que eu não trabalho sozinho, tem o Maurício ( Fonseca), que é um irmão, todas as minhas produções eu tento fazer aqui no estúdio dele. É um trabalho que é quase um casamento a grosso modo. A gente se dá muito bem, a gente pensa muito igual, a gente pensa sempre em coisas novas, para poder estar sempre buscando e alcançando sonoridade bastante diferenciada e de qualidade. Estou muito feliz de estar pelo terceiro ano responsável por esse álbum que tem grandes sambas da Liga RJ”, revela o profissional.

Sob a confiança do presidente Wallace Palhares, o produtor musical comanda o processo de confecção do disco que apresenta os sambas da Série Ouro, desenvolvido para as plataformas digitais. Mestre Macaco Branco tem colecionado elogios dos segmentos, entre cantores, mestres, diretores musicais e de carnaval. O profissional aponta que o segredo é fazer tudo com muito carinho e trabalhar em conjunto com os profissionais que compõem a equipe para produção das faixas.

“O segredo é o amor, é o carinho, a gente quando ama o que faz sempre busca o melhor, não o melhor para mim ou para você, mas o melhor para o todo. É um gênero musical, é o samba-enredo. A galera que vem da escola já vem com grandes ideias e a gente tem um time de arranjadores que é de primeira com o Kaio Calado, o Victor Nascimento, Victor Alves, Andy Lee e o Hugo Bruno. São grandes referências e arranjadores. São multi instrumentistas e já bebem dessa fonte do samba, e vivem disso 365 dias por ano. Ninguém melhor do que os arranjadores do segmento para fazer grandes trabalhos junto com os diretores musicais das escolas, mestres de bateria e cantores. A gente entra, faz uma reunião, dialoga e define, sempre tendo uma proposta de qual vai ser o formato, mas cada um trazendo para sua linguagem, respeitando a identidade de cada escola, a característica de cada bateria. O segredo é a gente lutar pelo melhor. A gente sempre está buscando incessantemente qual é a melhor ideia, o que não vai agredir a música, o que não vai perder a característica das instituições, tudo isso em conjunto”, explica o produtor do álbum da Série Ouro.

Além de mestre de bateria da Unidos de Vila Isabel, comandando a Swingueira de Noel, Macaco tem suas produções musicais ao longo do ano. O músico já trabalhou com direção musical de algumas agremiações, além de outras funções, o que lhe rendeu uma vasta experiência na produção de sambas, lhe conferindo também o conhecimento nos processos. Isto, por exemplo, facilitou a escolha do M&C Studio, lá em 2022, no primeiro ano do projeto, para ser a sede deste trabalho e na escolha dos profissionais.

“Durante o ano eu passo boa parte do tempo gravando. Eu conheço muitos estúdios. Entres os três que eu mais gravo, aqui no M&C Studio, no Cesinha e no Léo, que são pessoas que fazem um trabalho maravilhoso, como já passo muito tempo aqui com o Maurício, desenvolvemos o projeto há três anos atrás, são três grandes estúdios, mas tenho com o Maurício um carinho e uma liberdade de sentar, trocar uma ideia antes de fechar qualquer projeto, de qual caminho seguir em relação a mixagem, de trabalho técnico, de linguagem, de identidade, a gente conversa e quando começa a trabalhar com a escola, a gente já tem uma proposta alinhada, até porque a gente dialoga muito com a galera da Liga RJ, com o presidente Wallace Palhares, até para a gente poder a cada ano ter um diferencial. E acredito que esse álbum de 2024 vai emocionar todo mundo, a nossa proposta é emocionar o sambista, o sambista raiz , aquele que gosta do verdadeiro samba-enredo”, projeta Macaco Branco.

Além de manter os mesmos profissionais das últimas edições, a Liga RJ também optou por seguir com sua própria gravadora, o que oferece mais agilidade e liberdade no processo de criação. Macaco promete um álbum feito para os sambistas que vai respeitar a identidade de cada escola, cada bateria, cada artista do carnaval.

“O sambista pode esperar um álbum que vai ficar no top 10 das playlists de Spotify, Deezer, Amazon Music, e todas as plataformas digitais. A qualidade sonora está absurdamente boa e as escolas estão vindo com grandes ideias, com ritmistas ‘top de linha’, tocando bem. Os mestres estão com bossas e paradinhas bem elaboradas, respeitando a identidade, a métrica e a melodia do samba, e os cantores estão voando baixo. Aguardem o álbum da Liga RJ para 2024, o povo vai ficar feliz”, promete o produtor musical.