InícioGrupo EspecialImperatriz Leopoldinense se torna Patrimônio Cultural e Imaterial do Rio de Janeiro

Imperatriz Leopoldinense se torna Patrimônio Cultural e Imaterial do Rio de Janeiro

A Imperatriz Leopoldinense se tornou patrimônio cultural e imaterial do Rio de Janeiro. Com a finalidade de preservar a cultura do samba, da música e da história, bem como na divulgação da quadra da agremiação, que fica no bairro de Ramos, Zona Norte do Rio, para ensaios e visitação turística, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publicou a medida no Diário Oficial do Estado através da Lei Nº 9.933, de 15 de dezembro de 2022, de autoria do deputado Valdecy da Saúde.

Foto: Nelson Malfacini/Site CARNAVALESCO

“A Imperatriz tem um legado para a cultura brasileira através de enredos nacionalistas que exaltam a cultura do nosso povo e da nossa história. Somos reconhecidos por uma grande discografia, com sambas antológicos. Estamos muito gratos com este presente e reconhecimento da Alerj com a nossa que escola, que pertece a todo o povo do Rio de Janeiro”, comemora esse grande feito da sua gestão a presidente da agremiação Cátia Drumond.

Fundada em 6 de março de 1959, a Imperatriz Leopoldinense ganhou notoriedade no Carnaval após a chegada de Luiz Pachedo Drumond à presidência, em 1974. Como marca de sua gestão, Luizinho trouxe nomes consagrados da folia, como Arlindo Rodrigues e Dominguinhos do Estácio, conquistando os títulos de 1980 e 1981. Nos anos 90, contratou Rosa Magalhães, numa parceria que rendeu outros cinco campeonatos. Como legado, sua filha, Cátia Drumond, seguiu os passos do pai ao contratar um grande artista para o projeto artístico leopoldinense, o carnavalesco Leandro Vieira.

Ao todo, a Imperatriz Leopoldinense é detentora de oito títulos do grupo principal: 1980, 1981, 1989, 1994, 1995, 1999, 2000 e 2001. Sendo que em 1980, 1989 e 2001 foi campeã obtendo nota máxima em todos os quesitos. Desfilou pela primeira vez em 1960, com um enredo em homenagem à Academia Brasileira de Letras. Em 1972, ganhou destaque após fazer parte da novela “Bandeira 2”, da Rede Globo. Naquele ano, apresentou o enredo “Martim Cererê”, conquistando o 4.º lugar. O samba-enredo foi o primeiro a ser incluído em uma trilha sonora de telenovela. Em 2012, outro samba da escola – “Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós!” – do carnaval de 1989, seria o primeiro samba-enredo utilizado como tema de abertura de uma telenovela. Nesse caso, na novela “Lado a lado”, também da Globo.

- ads-

‘Quando o enredo conquista, tende a iluminar o compositor’, diz Claudio Russo, após vencer o Estrela do Carnaval com o samba da Estácio

Claudio Russo, um dos autores do samba-enredo da Estácio de Sá no Carnaval 2024, festejou a vitória no prêmio Estrela do Carnaval, oferecido pelo...

Tinga sobre ter sido vencedor no Estrela do Carnaval como ‘Melhor Intérprete’ de São Paulo: ‘É uma honra ganhar pelo Império’

O intérprete Tinga está totalmente adaptado ao Império de Casa Verde. O carioca chegou ao ‘Tigre Guerreiro’ no Carnaval 2023 e logo se identificou,...

Império da Uva reforça equipe com a contratação de Alcides Kenga como diretor de carnaval

A Império da Uva deu um passo significativo ao adicionar Alcides Kenga à sua equipe como Diretor de Carnaval. Com mais de três décadas...