InícioGrupo EspecialFreddy Ferreira analisa a bateria da Viradouro no desfile

Freddy Ferreira analisa a bateria da Viradouro no desfile

Um desfile extraordinário da bateria da Unidos de Viradouro, regida pelo lendário mestre Ciça. Uma conjunção sonora de raro valor musical foi exibida. Com um andamento cadenciado, foi possível constatar uma fluência ímpar entre todos os naipes do ritmo da escola do Barreto. A boa equalização de timbres também jogou a favor, proporcionando um equilíbrio acima da média. Bossas potentes e que levantaram a Avenida ajudaram na sensação de um autêntico sacode.

Na parte de trás do ritmo, uma afinação muito boa de surdos foi percebida. Marcadores de primeira e de segunda foram firmes, mas precisos durante todo o desfile. Surdos de terceira foram responsáveis pelo bom balanço tanto em ritmo, quanto nas bossas. Uma ala de repiques coesa tocou integrada a um naipe de caixas de guerra bastante ressonante, com a peculiar batida com levada de partido alto. Atabaques contribuíram de modo único, principalmente nas bossas com toques afros.

Na cabeça da bateria da Viradouro, um naipe de cuícas mostrou sua nítida qualidade sonora. Uma ala de chocalhos sólida tocou entrelaçada com um naipe de cuícas de elevada técnica. O desenho de tamborim da Unidos da Viradouro possui uma musicalidade simplesmente incrível. Menção positiva para o trecho do “toque de Adarrum” como pede o próprio samba, além do refrão do meio e início da segunda. A execução privilegiada da convenção rítmica dos tamborins agregou imensamente à sonoridade da bateria “Furacão Vermelho e Branco”.

Bossas profundamente integradas ao belo samba-enredo da Viradouro garantiram apresentações potentes para jurados. Arranjos com densidade musical foram produzidos. Com direito a pressão do impacto sonoro provocado pelos surdos, além de paradinhas que atrelaram o tema de vertente africana da escola à sonoridade produzida. As bossas que utilizam os atabaques para realçar os toques afros garantiram não só uma musicalidade diferenciada, como interação popular a cada realização.

A apresentação da primeira cabine (módulo duplo) foi monumental. Um ritmo de extrema fluência entre os naipes foi produzido, com bossas bem encaixadas. A exibição na segunda cabine de julgador foi tão boa quanto a primeira, recebendo aplauso do jurado e também ovação do público. A apresentação no último julgador manteve o nível das demais, mesmo com a caixa de som mais próxima com volume elevadíssimo. Tal fato, inclusive, fez o julgador mudar sua posição para poder ter melhor percepção da Viradouro. Nem isso atrapalhou mestre Ciça de dar um verdadeiro show, para encerrar o desfile magistral da bateria “Furacão Vermelho e Branco” da Unidos do Viradouro. A consistência exibida nos módulos tem tudo para garantir a pontuação máxima para o icônico mestre Caveira.

- ads-

Diretor fala do pioneirismo da Mocidade ao abrir a nova terceira noite de desfiles do Grupo Especial em 2025

A Mocidade foi a décima colocada no carnaval deste ano. A expectativa para o próximo carnaval era de participar normalmente do sorteio da ordem...

Tijuca está tranquila em abrir o segundo dia de desfiles do Especial

A Unidos da Tijuca já abriria a noite de segunda-feira, ainda que permanecessem dois dias de desfiles. Décima-primeira colocada no último carnaval, a escola...

Ação Social na quadra da Unidos de Padre Miguel oferecerá exames de vista e óculos gratuitos

No próximo dia 26 de maio, a quadra da Unidos de Padre Miguel será palco para uma ação que visa proporcionar cuidados com a...