InícioGrupo EspecialFreddy Ferreira analisa a bateria da Tijuca no ensaio técnico na Sapucaí

Freddy Ferreira analisa a bateria da Tijuca no ensaio técnico na Sapucaí

Um excelente ensaio técnico da bateria “Pura Cadência” da Unidos da Tijuca, comandada por mestre Casagrande. Um ritmo de equilíbrio pleno entre os naipes, além de uma fluência considerável, graças as bem afinadas marcações tijucanas. Se a chuva alterou afinações do meio da pista para frente, não impactou de modo algum na condução musical da bateria da Tijuca.

Uma bateria “Pura Cadência” com uma afinação acima da média foi notada. Os marcadores de primeira e segunda foram precisos, além de demonstrarem bastante educação musical. O ótimo balanço dos surdos de terceira complementou os graves com eficiência. Repiques coesos e com volume diferenciado ajudaram no preenchimento da sonoridade dos médios, assim como as caixas de guerra foram simplesmente sublimes. É possível dizer que o trabalho destacado das caixas tijucanas serviu de base para os demais naipes, dada a consistência da execução da batida.

Na parte da frente do ritmo da Tijuca, um bom naipe de tamborins mostrou apuro técnico ao executar um desenho rítmico simples, mas bastante funcional. Tudo isso entrelaçado com uma ala de chocalhos de elevada qualidade musical, que se apresentou muito bem. Um naipe de cuícas seguro também ajudou na cabeça da bateria da escola do morro do Borel.

Bossas plenamente casadas com o samba-enredo foram realizadas. Destaque para a paradinha bastante dançante do refrão do meio e sua concepção criativa bem integrada à obra da Unidos da Tijuca. Todas as execuções de bossas pela pista foram sublimes, graças principalmente a educação musical de todo o ritmo tijucano, mas em principal os eficientes marcadores. Nem a chuva que caiu de forma pesada em grande parte do ensaio atrapalhou as execuções impecáveis dos arranjos.

Uma bateria da Unidos da Tijuca simplesmente exemplar realizando um grande ensaio técnico, dirigida por mestre Casão. Uma “Pura Cadência” que valorizou seu ritmo tradicional, acompanhando com segurança e qualidade o samba da Tijuca. Um conjunto de paradinhas bem vinculado a canção foi executado com maestria pelos ritmistas da escola do Borel, numa bateria que mostrou estar pronta para o desfile oficial.

- ads-

Alberto João faz seu balanço do Carnaval 2024

https://www.youtube.com/watch?v=fCZ8MqElUEM Arte em cima da foto de Dhavid Normando/Divulgação Rio Carnaval

Vai e vem do Carnaval SP: Cahê Rodrigues é o novo carnavalesco do Camisa Verde

A semana pós-desfiles foi agitada nas escolas de samba de São Paulo e os carnavalescos de quase todas as agremiações do Grupo Especial foram...

Já de olho em 2025, Colorado do Brás comemora resultado e manutenção do trabalho

O rebaixamento da Colorado do Brás no Grupo Especial de 2022 foi bastante sui generis. A escola foi penalizada em meio ponto por conta...