O Salgueiro não recebeu nenhuma uma nota máxima em Alegorias e Adereços neste carnaval. Um dos pontos fortes em 2020, com apenas uma nota diferente de 10, descartada, atingindo os 30 pontos, em 2022, a situação é completamente diferente. A escola recebeu de três jurados o 9,9, e de outros dois a nota 9,8. Entre as justificativas mais comentadas está a falta de carnavalização no figurino de componentes que vinham na quinta e última alegoria “A resistência continua” que trazia uma cena de protesto, onde manifestantes envolvem a alegoria e tomam o cenário urbano formado por uma praça e os prédios no entorno. Também foram citados problemas de acabamento no Abre-Alas “Salgueiro, o griô do samba” e no tripé “Pequena África”. Mais de um jurado também expressou como justificativa a dificuldade de visualização das figuras de composição na terceira alegoria ” A arte de resistir”.

Ao tirar um décimo das alegorias do Salgueiro ,Tereza Piva justificou: “Alegoria 2 – A palavra RESPEITO que é chave na temática ficou parcialmente coberta. Alegoria 3 – As figuras de composição (casal de bailarinos) localizadas na parte superior não estavam com boa visibilidade, uma vez que elementos decorativos encobriram os mesmos”

Madson Oliveira, no segundo módulo 2, tirou um décimo também e escreveu: “Conjunto alegórico bem concebido. No entanto, foram observados problemas de acabamento em : a) Abre-alas, com forro do piso do platô traseiro se soltando, b) Alegoria 3, com cúpulas do Theatro Municipal desiguais, c) alegoria 5, com componentes vestindo trajes pouco carnavalizados”

Fernando Lima foi mais rigoroso e tirou um décimo de concepção e um de realização, totalizando para o Salgueiro um 9,8 com as seguintes justificativas:” Tripé ‘Pequena África’ houve falha na aplicação sobre o balaústre da fachada inclinada, somado à emenda da face traseira da última fachada, prejudicaram a alegoria. Alegoria 02, material no entorno da palavra ‘respeito’ descolando e rachado. Alegoria 03, os bailarinos(casal) tiveram sua visualização prejudicada pelo nível do piso entre as torres e o frontão do ‘Theatro Municipal’. Alegoria 05, faltou carnavalização , importante na vestimenta dos componentes da alegoria “.

Soter Bentes do quarto módulo deu 9,9 alegando o seguinte:”No tripé 1, na traseira da estrutura mais alta aparece uma emenda transversal mal acabada e o vendedor de laranjas estava pouco expressivo na composição da proposta do tripé”.

E por fim, Walber Ângelo de Freitas do último módulo tirou dois décimos em realização, justificando pelos seguintes motivos:”Penalizada em dois décimos em realização: alegorias 02,03 e 05. Alegoria 02: a saia do platô que servia de suporte para a roda das mãos pequenas estava rasgada e desprendida. Alegoria 03: houve superposição de elementos cenográficos que prejudicou a leitura da alegoria. Ex. bailarinos encobertos pelos elementos. Alegoria 05: ausência da carnavalização necessária nos figurinos dos manifestantes que compunham a alegoria. Entende-se que as fantasias dos figurantes podem ser desenvolvidas com dose certa de carnavalização mesmo quando retratam a realidade”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui