A Verde e Branca de Niterói realiza neste sábado em sua quadra a grande final da disputa de sambas para escolher o hino que vai embalar o carnaval 2020. Inicialmente, seis sambas concorriam ao posto, agora, passado a fase seminal, sobraram as parcerias de Iberê Matos, Chiquinho Inspiração e Robson Ramos. O presidente da Cubango, Rogério Belizário, elogiou as obras desse ano observando que apesar do número ser inferior a outros anos, manteve o padrão de qualidade. Em 2020, a Cubango será a quinta escola a desfilar na sexta-feira de carnaval.

“As obras desse ano estão boas, aliás, como no ano passado houve muita qualidade e inspiração por parte dos compositores. Isso, apesar de este ano terem sido inscritos menos sambas que o ano passado. E todos os três sambas que chegaram a final estão bastante de acordo com o que queríamos, com o enredo e o ganhador vai vencer na quadra”.

A final começará por volta das 23h de sábado com o sorteio que vai definir a ordem de apresentação. Cada parceria terá direito a duas passadas do samba sem a bateria e mais 15 minutos cronometrados de passagem da obra, desta vez, com a bateria. O presidente Rogério Belizário apontou em sua opinião quais os fatores que darão a vitória a uma das parcerias e ressaltou que a escolha é conjunta.

“O samba campeão tem que ser bom internamente, ou seja, sacudir a quadra. Tem que mostrar atitude na final com letra compatível ao enredo e dentro do que o carnavalesco pretende para o desfile. Os sambas são bons, o que vai diferir é como serão apresentados na quadra. A decisão vai passar por mim, observando a quadra, e pelo carnavalesco e toda a comissão de carnaval”.

No próximo carnaval, a Cubango vai apresentar o enredo “A voz da liberdade”, que será desenvolvido pelos carnavalescos Alexandre Rangel e Raphael Torres, e homenageará o jornalista e escritor brasileiro Luís Gama, que em 2020 completaria 190 anos de nascido. Apesar das indefinições em relação a verbas para 2020, o presidente Rogério Belizário acredita em repetir o sucesso do desfile do ano passado (quando a escola conquistou o vice-campeonato) e aproveita para fazer um apelo ao Governo do Estado.

“A expectativa é de fazer um carnaval tão bom ou melhor do que em 2019. Uma coisa que eu tenho certeza é que todas as escolas estão sem dinheiro, por isso há uma indefinição, principalmente, na Série A. O que a gente espera é que essa possível ajuda do Witzel (Wilson Witzel, governador) possa se estender para o Grupo de Acesso. Seria um bom senso dele, ajudar à Série A também. Apesar de tudo, acredito que todas as escolas irão conseguir botar seu carnaval na rua”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui