InícioSão PauloConheça as oito escolas que estarão no Grupo de Acesso I de...

Conheça as oito escolas que estarão no Grupo de Acesso I de São Paulo

Entre escolas jovens e tradicionais, segundo grupo promete

Neste domingo, oito pavilhões entram no Anhembi para o desfile do Grupo de Acesso I, a segunda divisão do carnaval de São Paulo. Uma mistura de escolas tradicionais como Nenê de Vila Matilde, Pérola Negra, Vila Maria e Colorado do Brás junto com quatro agremiações jovens, Terceira Milênio, Dom Bosco de Itaquera, Torcida Jovem e Mocidade Unida da Mooca.

Foto: José Cordeiro/ SP Turis

São oito escolas na disputa, que começa às 21h com a estreante Dom Bosco e finaliza após o desfile da MUM marcado para às 4 da manhã. A única agremiação na disputa a ter conquistas da elite da folia paulistana é a Nenê de Vila Matilde, que é a segunda maior campeã do Grupo Especial com 11 títulos.

Segue um giro sobre cada escola e como elas chegam para essa disputa intensa no Sambódromo do Anhembi:

21h00 – Dom Bosco

Pela primeira vez no Grupo de Acesso I, a Dom Bosco de Itaquera, que é uma escola fundada em 2000, chega no grupo com um enredo nordestino: “Um causo arretado de um povo pra lá de valente…O cordel de um nordeste independente”. O carnavalesco Danilo Dantas é quem desenvolveu o projeto e contou um pouco sobre o enredo.

“Tenho esse enredo há muitos anos, desde a minha primeira passagem no Grupo de Acesso com a Colorado. Me fascina muito e me revolta quando dizem que o nordeste é um atraso para o Brasil. Todo ano de eleição, o pessoal do sul e sudeste sempre usa esse termo. Baseado nisso, eu comecei a pesquisar o porquê surgiu isso e eu descobri o poema que o Bráulio Bessa recitou no programa da Fátima Bernardes e ficou na minha cabeça. Fui pesquisando e é uma música de 1984. Ou seja, desde a década de 80 existe isso. O Brasil vem tendo falas de políticos nas últimas eleições, e eu acho que é preciso mostrar para o brasileiro que se eles querem que o nordeste se afaste do Brasil, olha o tanto de coisa que eles vão perder. Então fizemos isso em um conto através da música ‘nordeste independente’, que é de Bráulio Tavares e Ivanildo Vila Nova e foi eternizada na voz de Elba Ramalho”.

A escola tem como slogan ‘e vai pensando que a gente só reza’, em referência à sua origem em uma obra social católica e ao fato de ter como presidente o querido Padre Rosalvino.

Fundação: 2000
Melhor resultado: Vice-campeonato do Acesso II
Títulos: Quinta divisão (2008) e quarta divisão (2009)
Último ano: Vice-campeã do Grupo de Acesso II

22h00 – Torcida Jovem

De volta ao Grupo de Acesso após treze anos, a Torcida Jovem, oriunda da torcida organizada do Santos Futebol Clube, foi a campeã do Acesso II em 2023. O enredo da TJ é intitulado“Raiz afro mãe, meu Brasil bantu”, desenvolvido por Fernando Dias, que explicou a proposta da escola.

“O enredo conta a história dos escravos, que é o povo bantu. Eles vieram da África, escravizados através do europeu em troca de mercadorias e sendo vendidos para os senhores de engenho. Aos poucos eles foram conquistando a sua liberdade, o seu espaço e voltando a se tornar reis e rainhas como eram na África”.

A Torcida Jovem não é uma agremiação jovem no carnaval, estando desde 1979 na ativa.Até 2002, entretanto, prosseguiu como bloco carnavalesco. Quando engatou nas divisões da UESP, teve uma rápida ascensão e chega pela segunda vez no Grupo de Acesso I.

Fundação: 1979
Melhor resultado: 8ª colocado
Títulos: Terceira divisão (2023), Grupo 3-UESP (2004) e Bloco Especial (1988, 1990, 1991, 1996 e 1997)
Último ano: Campeã do Grupo de Acesso II

23h00 – Nenê de Vila Matilde

A tradicional Nenê de Vila Matilde é a terceira agremiação a pisar no Anhembi. Com onze títulos em sua história, é a segunda maior campeã do Grupo Especial junto com a Mocidade Alegre. Com pavilhão pesado e buscando retorno ao Especial, que não frequenta desde 2017, vai homenagear a compositora e cantora Lia de Itamaracá com o enredo “Cirandando a vida pra lá e pra cá. Sou Lia, Sou Nenê, Sou de Itamaracá”, assinado pelo carnavalesco Fabio Gouveia, que falou sobre o processo criativo.

“Lia de Itamaracá sempre foi um enredo que eu quis fazer e só queria uma oportunidade para encaixar. Ela é um patrimônio do nosso país, a maior cirandeira em vida. Isso foi ganhando ainda mais força quando eu cheguei na Nenê, que tem essa identidade preta, raiz cultural. A gente fez os projetos do ‘Narciso Negro’, ‘Faraó Bahia’ e precisava de um enredo para fechar essa trilogia. Na verdade, a Lia seria enredo da escola quando a Nenê subiu para o Acesso I. Já era algo conversado, mas optamos por fazer algo diferente para ganhar peso e homenagear a Lia como ela merece. Queríamos no Grupo Especial, mas guardamos. Depois ficamos um ano inteiro estudando as possibilidades, fazendo os contatos com a assessoria dela e equipe de trabalho para chegar a um consenso. Depois do desfile das campeãs nós fizemos o primeiro contato com a presença dela para apresentar o enredo de fato. Ela prontamente nos atendeu e foi muito mágico”.

A escola do Lado Leste chegou a estar no Grupo de Acesso II em 2022, mas retornou ao Acesso I e brigou para estar na elite logo no primeiro ano de retorno. Ficou nos detalhes, e neste ano chega com Lia de Itamaracá para conquistar a tão sonhada volta ao Grupo Especial.

Fundação: 1949
Melhor resultado: 11 vezes campeão do Grupo de Especial (último em 2001)
Títulos: Primeira Divisão (1956, 1958, 1959, 1960, 1962, 1965, 1968, 1969, 1970, 1985 e 2001), Segunda Divisão (2010 , 2012 e 2022)
Último ano: 3º lugar no Grupo de Acesso II

00h00 – Pérola Negra

A Pérola Negra está pelo terceiro ano consecutivo no Grupo de Acesso I, mas é uma escola com inúmeras participações no Grupo Especial. Para esse ano, vai contar o enredo: “Pérola No Encanto Dos Balaios Das Quebradeiras”, o qual o carnavalesco André Marins nos contou sobre a respeito.

“Estava procurando um enredo aonde eu tivesse uma cultura brasileira mesmo, alguma coisa que nunca tivesse passado na Avenida. Conversando com um amigo ele falou que tinha um enredo e apresentou a história das quebradeiras. Eu vi um documentário falando sobre elas e me encantei por causa da história, e enquanto fui criando mais conteúdo para o enredo eu fui descobrindo várias coisas. Quando se fala de pessoas que trabalham com esse tipo de material se imagina que é uma coisa sofrida, difícil, mas para elas isso é um prazer. Recebi um áudio em que a Rosalva, uma das quebradeiras de coco babaçu do Maranhão, pede que não coloque nada sofrido porque elas têm prazer no que fazem. Elas não têm vergonha, não têm nenhum tipo de preconceito com isso que elas fazem. Pelo contrário, elas amam fazer o que fazem com o coco babaçu, e o enredo vem pegando por essa tangente. A gente mostra, é claro, a dificuldade de como foi e ainda é porque também não é fácil agora, mas que tenha essa questão de o brasileiro ter a certeza do que está fazendo”.

A Pérola Negra já venceu Grupo de Acesso I em cinco oportunidades, ou seja, sabe o caminho da eliteo qual tanto sonha. Em 2023 acabou ficando na sexta colocação, o que é atípico para a agremiação, perto do descenso. Em 2024 busca um novo panorama com a história das quebradeiras.

Fundação: 1973
Melhor resultado: 5ª lugar no Grupo Especial em 1976
Títulos: Segunda Divisão (1975, 1989, 2000, 2013 e 2015), Terceira divisão (1974 e 1988)
Último ano: 6º lugar no Grupo de Acesso I

01h00 – Colorado do Brás

A Colorado do Brás vai para o segundo ano consecutivo no Grupo de Acesso I, após um período de três anos no Grupo Especial. Para retornar a elite, a escola do Canindé terá como enredo: “Os Encantos da Raiz do Mandacaru”, desenvolvido pelo carnavalesco Anselmo Brito, que contou um pouco sobre os trabalhos em torno.

“A Colorado do Brás convida todo mundo para uma viagem muito bem arretada e divertida, como tem que ser quando se fala de Nordeste. É mostrar um povo que a gente tem um carinho imenso. Um povo muito aguerrido, construtor e cheio de histórias. Vamos começar a falar de história, prosear um pouco. Nós escolhemos como tema de enredo uma das raízes mais importantes do Nordeste, que é o próprio mandacaru. Uma raiz muito típica do Nordeste, marcante pela sua força, por se dar em lugares não tão esperados e levando sua beleza para aquele lugar. Nós vamos fazer uma analogia dessa raiz com o povo nordestino, porque o povo nordestino é isso. Ele é resistência, ele é força, ele tem histórias e gosta de história”.

Nos anos 80 e 90, a agremiação esteve no Grupo Especial. Teve um período no Grupo de Acesso, mas viveu uma queda e chegou até ao Grupo 3 da UESP em 2011. Logo se recuperou, sendo campeão deste grupo, vice do Grupo 2 e depois campeão do Acesso II.

Fundação: 1975
Melhor resultado: 11ª lugar no Grupo Especial em 2019
Títulos: Terceira Divisão (1979, 2000 e 2013) e Quinta Divisão (2011)
Último ano: 5º lugar

02h00 – Unidos de Vila Maria

A Unidos de Vila Maria vinha em grande sequência, desde 2015 no Grupo Especial, sendo quatro anos voltando para o desfile das campeãs. Mas em 2023 acabou em 13ª lugar, o que culminou na quedapara o Acesso I. Para voltar ao Especial, vai cantar“Forjados na Luta, Guiados na Coragem e Sincretizados na Fé: A Vila Canta Ogum!”, um enredo afro que é inédito para a Vila, tendo toda a fé envolvida e desenvolvida pelo carnavalesco carioca Fábio Ricardo e o enredista Roberto Vilaronga, que conversaram com o site CARNAVALESCO.

“O enredo, ele trata de como o brasileiro, como as pessoas no Brasil se relacionam com o orixá Ogum. Isso, ela fala muito sobre como a gente se relaciona com a fé, de como a gente entende a fé e de como a gente prega a nossa fé. Então a gente buscou no orixá Ogum, que é uma referência também para a comunidade da Vila Maria, como São Jorge. Então iniciamos o nosso enredo falando um pouco sobre ancestralidades, como surge o Ogum, o que o Ogum traz para a humanidade, que é a forja do ferro. Depois a gente fala de como essa religião aporta no Brasil, com a diáspora africana, e ela traz o candomblé e o candomblé se torna uma das principais religiões desse país. Falamos de como é cultuado no Xirê, como é cultuado pelas pessoas e pelos outros orixás. Falamos também de como é cultuado na Umbanda, como o Ogum é venerado na Umbanda, e a gente chega também no final do desfile, no último setor, onde a gente fala como ele é cultuado no catolicismo, chegando nas festas de São Jorge, na Alvorada, e assim a gente encerra o desfile. Então, basicamente, o enredo trata de como nos relacionamos com a nossa fé, como a gente se relaciona com o orixá Ogum”.

Para voltar ao Grupo Especial, a Vila Maria aposta em um enredo que é diferente das suas características, e conta também com um artista estreante no carnaval paulistano. Vale ressaltar que a agremiação da Zona Norte de São Paulo venceu o Acesso I em três oportunidades, sendo a última em 2014.

Fundação: 1954
Melhor resultado: 11ª lugar no Grupo Especial em 2019
Títulos: Terceira Divisão (1968, 2001 e 2014) e Quarta Divisão (1998)
Último ano: 13º lugar – grupo Especial

3h00 – Estrela do Terceiro Milênio

A Terceiro Milênio conquistou acesso inédito para o Grupo Especial em 2022, com um enredo bem forte sobre as mulheres, mas acabou descendo no ano seguinte. Busca o retorno ao Especial, e para isso segue com o carnavalesco Murilo Lobo assinando o enredo “Vovó Cici conta e o Grajaú canta: o mito da criação”. O artista falou a respeito do projeto.

“É importante que as pessoas conheçam e que elas entendam o desfile de maneira mais ampla porque aí a gente vai conseguir trazer a mensagem e realmente tocar as pessoas. Pesquisando sobre enredos na linha afro-religiosa eu encontrei um sobre atabaques e Vovó Cici me chamou atenção. Comecei a pesquisar sobre ela começou a vir um monte de outros materiais – inclusive uma entrevista dela no programa do Lázaro Ramos, em foram chamados alguns religiosos, sendo que ele, até então, nunca tinha discutido religião. Ele trouxe uma pessoa do candomblé, um padre, um pastor e etc. Ela me encantou e eu continuei pesquisando sobre ela. Nisso, encontrei um vídeo dela contando o mito da criação em um sarau nas ruas de Olinda. Ela traz atabaques, canta os cânticos, e etc. Pensei que essa história é muito incrível entrei em contato com o Silvão Leite, pedi para o presidente abrir o coração e ouvir a história. Para as pessoas que não são e não tem nenhum tipo de proximidade do candomblé às vezes é complexo propor um tema nessa vertente, mas ele achou a história incrível”.

A sequência da Milênio é muito forte. Desde 2007 vem em uma grande ascensão, vencendo grupos da UESP, até vencer o Acesso II em 2019 e o Acesso I em 2022. Teve o descenso do Acesso I para o II em 2017, e esse atual. No mais, foi sempre subindo degraus dentro do carnaval paulistano.

Fundação: 1998
Melhor resultado: 14ª lugar no Grupo Especial em 2023
Títulos: Segunda divisão (2022), Terceira Divisão (2019), Quarta Divisão (2011 e 2016), Quinta Divisão (2008) e sexta divisão (2007)
Último ano: 14º lugar no grupo Especial

04h00 – Mocidade Unida da Mooca

Pelo segundo ano consecutivo fechando a noite do Acesso I, a MUM vem seguindo uma ideia de homenagens para personalidades brasileiras ligadas à africanidade. Trará desta vez Helena Theodoro com o enredo“Oyá Helena”. O carnavalesco Caio Araújo contou sobre o tema em conversa com o site CARNAVALESCO.

“A “Oyá Helena” é uma homenagem para Helena Theodora, e veio de uma ideia do Rafael e da esposa dele, a Ana Thaís, né? A Ana Thaís é uma grande fã do trabalho da Helena e ela foi apresentando para o Rafa, enquanto o Rafa foi apresentando para mim. Quando eu fui conhecendo mais a fundo a obra de Helena e mais do que a obra conhecendo a vida dela. Falei que essa mulher tem que ser enredo. É uma figura muito relevante culturalmente para o país, mas uma figura que também fala muito dos afetos que a gente constrói dentro do samba, sabe? E muito da construção do nosso enredo vai por esse caminho. A Helena está completando 80 anos esse ano. Ela começa a construir o legado do trabalho dela com 13. Então são muitos anos de trabalho para poucos setores de desfile. Então a gente tem que fazer algumas escolhas em como conduzir essa história. O que eu escolhi para contar um pouco desse legado da Helena, foi entender quais eram os pilares principais do trabalho dela. E aí, a partir deste momento entender como a gente dentro do Samba é capaz de conhecer diversas Helenas. E aí no final das contas é onde esse enredo vira uma homenagem para todas as mulheres pretas do carnaval”.

Apesar de ter nascido nos anos 80, a MUM ainda não conseguiu o tão sonhado acesso ao Grupo Especial e isso tem sido a meta de agremiação há algum tempo. Tem batido na trave: são três anos consecutivos em quarto lugar.

Fundação: 1987
Melhor resultado: 4ª lugar no Grupo de Acesso em 2020, 2022 e 2023
Títulos: Terceira divisão (2018), Quarta divisão (2014 e 2016), Quinta divisão (1999) e Sexta divisão (1991)
Último ano: 4º lugar no Grupo de Acesso I

- ads-

Excelência consecutiva no Salgueiro! Nota 80 em Harmonia, Alemão do Cavaco fala do trabalho no carro de som da escola

O samba-enredo do Salgueiro foi muito comentando no pré carnaval, sendo considerado um dos melhores da safra de 2024. A obra ganhou popularidade após...

Unidos de Vila Isabel abre inscrições para cursos gratuitos na quadra

A Unidos de Vila Isabel já está com inscrições abertas para a nova fase do projeto social conduzido por meio do Instituto Celeiro de...

‘Roteiro dos Desfiles’: 15 anos promovendo o carnaval da informação’

O Roteiro dos Desfiles vestiu a fantasia e trouxe seus destaques para mais uma edição exclusiva da publicação mais querida da Sapucaí. Celebrou seus...