InícioIntendenteCom grande homenagem a Daniel Azulay, Jacarezinho peca no tempo, mas faz...

Com grande homenagem a Daniel Azulay, Jacarezinho peca no tempo, mas faz um dos melhores desfile da noite

Nona escola da noite a Unidos do Jacarezinho fez um desfile fez um desfile com muita alegria e diversão.Com o enredo “Alô, Alô. Algodão doce pra vocês!”, do carnavalesco Flavio Lins, homenageando o cartunista Daniel Azulay. Com destaque e inspiração para turma do lambe-lambe, a Unidos do Jacarezinho contou a história a partir do circo. Com destaques para alegorias bem finalizadas, fantasias perfeitas e a comissão de frente. A Jacarezinho fez uma grande homenagem a Daniel Azulay. O que atrapalhou foi a correria no final do desfile e o estouro do relógio, teminando em 41 minutos, um minuto além do tempo estipulado.

Comissão de frente

Comandada por Monik Lamour a comissão veio de magia circense que serviu de inspiração para turma do lambe lambe, um dos maiores sucessos do homenageado da escola. Tinha vários personagens de um circo, cuspidor de fogo, mágico, domador de leões, os leões, bailarinos e palhaços. Fizeram uma coreografia com direito a leões domados e fogo na avenida. Foram quase perfeitos a não ser pelo chapéu do domador ter caído no primeiro módulo e depois foi retirado da apresentação.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Serginho Sorriso e Caroline Santos fizeram uma apresentação plástica leve com muita alegria, trocas de olhares toques perfeitos. Com um belo riscado muito samba tanto no pé quanto na ponta da língua. Caroline muito segura na sua bandeira, mesmo com vento no último módulo, não a deixou enrolar por nenhum momento. Suas fantasias representavam seres que trazem a magia dos encantos representada por um circo na saia da porta-bandeira e o mestre sala fantasiado de palhaço.

Harmonia

A escola comprou o enredo e todas as alas veio cantando bem, todos sabiam o samba destaque para o canto da velha guarda que estavam fantasiados de respeitável público. O carro de som do intérprete intérprete Ailton Santos levantava o público e os componentes que cantavam juntos não apenas o refrão como toda a letra do samba.

Enredo

Desenvolvido pelo carnavalesco Sergio Lins que homenageou o cartunista Daniel Azulay, o enredo foi contado de forma simples e clara, desde quando o homenageado se apaixonou pelo circo. Passando por todas as fases da sua vida até a criação da sua obra mais famosa o lambe-lambe. Até chegar na bateria que se materializou no próprio Azulay, dando vida a toda sua obra e fazendo essa grande homenagem ao cartunista.

Evolução

A evolução estava de acordo, com todas as alas certas bem alinhadas cantando, coreografias bem ensaiadas, parecendo que passaria muito bem pela avenida. Porém como a escola estava gigante, uma confusão com o tempo fez a escola dar uma acelerada depois da apresentação do casal no último módulo.

A bateria mal se apresentou e o restante da escola teve que correr para não estourar o tempo, coisa que mesmo assim não conseguiram, com dois integrantes caindo por causa da correria no final. Infelizmente, a escola estourou e passou com 1 minuto além do tempo estipulado.

Samba

A obra estava na boca do povo, junto com a bateria do mestre Rafael Pelezinho, e ajuda especial do mestre Vitinho. Os autores Maneco, Leandro Thomaz, Diego Moura, Pedro Miguel foram responsáveis pela composição do samba.

Fantasias

Destaques para comissão de frente com integrantes fantasiados de integrantes do circo, palhaço mágicos, trapezistas, cuspidores de fogo e até de leãone leoa. A terceira ala também foi destaque estavam as mulheres da velha guarda fantasiadas de ciganas, algo muito comum dentro dos circos. Todas as roupas estavam bem feitas, sem nada cair ou descolar. Um adendo todas as alas estavam realmente bem vestidas.

Alegorias

O abre-alas veio representando o circo, inspiração do artista. Tendo como significado uma grande paixão do Daniel Azulay, fonte de inspiração para a criação dos personagens da turma do lambe-lambe. O carro tinha uma espécie de carrossel que ficava girando a todo momento.

A segunda alegoria, “Nas asas de um sonhador em céu de algodão doce veio representando toda magia e colorido do mundo que Daniel Azulay idealizou e difundiu durante sua vida. Celebra a alegria que sempre permeou suas criações, sejam lúdicas oueducativas, voltadas para o público infantil, também estava perfeita nos acabamentos, o carro era grande com vários personagens criados por Azulay.

Outros Destaques

A fantasia da bateria onde todos vieram de Daniel Azulay, com seus óculos e roupas características.

- ads-

Jorge Silveira exalta preparação da Mocidade Alegre para ganhar duas categorias no Estrela do Carnaval: ‘São Paulo cada vez mais competitivo’

Em 2024, a Mocidade Alegre foi bicampeã do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, conseguindo unir beleza e facilidade de leitura para tratar...

Ei Psiu! Emerson Dias comemora chegada no carnaval de São Paulo e estreia levantando comunidade da MUM

A Mocidade Unida da Mooca apresentou seu novo intérprete para o carnaval de 2025, e é Emerson Dias, que fará sua estreia em São...

É a bateria do Zaca! Mestre Serginho se diz contente pela proposta diferente e conquista do Estrela do Carnaval

A “Bateria do Zaca” vive uma fase espetacular. É o segundo ano consecutivo em que a batucada comandada por mestre Serginho conquista os 40...