InícioSão PauloCom empolgação e apoio da bateria, Rosas de Ouro escolhe samba da...

Com empolgação e apoio da bateria, Rosas de Ouro escolhe samba da parceria de Vaguinho para o Carnaval 2024

Obra tem 'apenas' três compositores e não contou com grande contingente de pessoas tremulando bandeiras e bexigas

Por Gustavo Lima e Will Ferreira

A final de uma eliminatória de samba-enredo costuma levar torcidas bastante animadas às quadras das escolas. Na última sexta-feira, a Rosas de Ouro coroou uma obra que apostou, justamente, no contrário. Escrita por apenas três compositores (Vaguinho, Rapha SP e Marcus Boldrini), a canção teve acompanhamento bem mais discreto de quem acompanhava a execução da obra – que, claramente, não investiu em torcedores ou adornos como bexigas e bandeiras. O CARNAVALESCO conversou com diversos segmentos da azul e rosa durante o evento.

Superação

Assim pode ser definida a vitória do Samba 10 na eliminatória da Roseira. Último a se apresentar, chamou atenção de todos a falta de torcedores mais animados, com camisas alusivas e pessoas cantando efusivamente, com bexigas e bandeiras – atitudes comuns em finais de samba-enredo, que os concorrentes (enumerados como 9 e 7 nas eliminatórias, de acordo com a ordem de apresentação) optaram em buscar. Vaguinho, um dos compositores da obra, destacou o quanto ele e os companheiros precisaram se desdobrar para a grande final.

“Foi um dia maravilhoso, mágico, já que vencemos pegando a sinopse bem tarde. Na verdade, estávamos abdicando de fazer por conta da mudança de parceria, estávamos tristes. Decidimos fazer e encarar o desafio de fazer apenas nós três, sem dinheiro e sem torcida. Tive o apoio pessoal do Igor Federal, compositor e meu parceiro, que nos ajudou com algum apoio financeiro – embora não precisássemos de muito, já que a comunidade abraçou. Estamos muito felizes, juntamente com o Rapha SP e com o Marcus Boldrini”, afirmou.

Integrantes da parceria campeã. Fotos: Gustavo Lima/CARNAVALESCO

Aqui, é importante destacar que o trio já venceu em outras oportunidades o concurso da Roseira. Os três tiveram a honra de ser escolhidos pela quinta vez na agremiação desde 2017 – mas, nas outras oportunidades, a parceria tinha entre oito e dez pessoas.

Rapha SP também destacou as adversidades encontradas para exaltar a vitória da parceria. “É sempre uma emoção nova. Agora estamos com essa parceria enxuta com três compositores. Criamos essa missão de ganhar a disputa de samba nesse formato. A gente conseguiu e isso não tem preço. Falar da nossa cidade, de São Paulo é muito importante. O Ibirapuera é um parque que eu frequento”, desabafou, aproveitando para destacar a importância da temática escolhida.

‘A Roseira vai te emocionar’

O último verso do refrão de cabeça da canção vem bem a calhar para quando os compositores deixaram claro o quanto a vitória foi especial. Marcus Boldrini, torcedor desde pequeno da azul e rosa, deixa isso claro.

“Ganhar na Rosas de Ouro é um sentimento inenarrável. É minha escola de coração, sou nascido e criado aqui. Eu trabalho com a Leci Brandão, faço shows, sou diretor musical e meu primeiro show com ela, quando eu tinha 19 anos, foi aqui na Rosas de Ouro. Sou o maior campeão aqui. Ganhei em 2010, 2011, 2015, 2016, 2017, 2018, 2020 e agora 2024. É minha casa e não tem o que falar”, relembrou.

Já Vaguinho preferiu falar um pouco mais sobre o processo criativo para criar a obra vencedora. “Quando pegamos a sinopse e lemos, conseguimos incorporar e nos vestirmos da ideia do carnavalesco. Falamos sobre um enredo teoricamente muito difícil, mas não era. Nos vestimos de poesia, tentou fazer o melhor, como sempre, e acredito que conseguimos – se não, não teríamos vencido o concurso”, comentou.

Trio parceiro

Para superar parcerias com diversos compositores, a compensação veio com base em muita união entre o trio. Rapha SP contou um pouco sobre as reuniões para que a obra fosse composta. “Esse samba foi composto totalmente presencial. Sem home office. Tomamos uma cerveja sentados juntos e em quatro dias fechamos ele. Foi maravilhoso, todos opinaram. O Marquinhos é maestro, o Vaguinho é meu professor e eu estou fazendo o que eu posso por essa escola”, pontuou.

Compositor Rapha SP

Mesmo perguntado sobre o novo regulamento, Vaguinho fez questão de frisar o quanto a parceria com os demais autores ajudou no processo. “Eu nem encaro mais com uma responsabilidade, porque são muitos anos fazendo obras vencedoras. Aqui no Rosas, é a quinta vez que eu saio como vencedor. Temos cumprido a expectativa da escola e conseguido bons resultados. Vai ser mais um ano em que vamos cumprir parâmetros de jurados. Tomara que gabarite, é sempre difícil, mas a responsabilidade a gente leva como paixão. Paixão não tem profissionalismo, a gente ama samba-enredo, se diverte fazendo, gosta de fazer, se diverte depois”, comentou o compositor.

Falando em regulamento…

Diversos segmentos da escola aproveitaram a final do concurso de samba-enredo para falar sobre o impacto das mudanças no novo regulamento para 2024. Um deles foi Uilian Cesário, mestre-sala da escola, que bailará com Isabel Casagrande pela primeira vez no próximo ano – se a porta-bandeira já é uma veterana na Freguesia do Ó, atuando desde 2016 na agremiação, ele desfilará pela primeira vez na Roseira na próxima temporada, depois de desfilar entre 2019 e 2022 na Mocidade Alegre.

Casal de mestre-sala e porta-bandeira da Rosas de Ouro

“Estávamos acostumados com o modelo anterior, mas há anos o quesito pedia por mudanças. Isso eleva a dificuldade, porque acaba diferenciando os casais (o que é ótimo), mas teremos que reaprender a fazer tudo isso na prática, na coreografia e na dança. Estamos preocupados e ansiosos, e com o regulamento embaixo do braço nesses primeiros passos. Agora, com o samba-enredo, vamos continuar trabalhando da forma mais técnica possível para que não traga risco nenhum para a comunidade”, comentou.

O próprio Vaguinho deixou claro que, em certas situações, a reflexão só poderá ser feita de maneira integral depois da apuração do carnaval de 2024. “Esse é um ano atípico, porque é complicado cumprir algo quando você ainda não sabe o roteiro do desfile. Acredito que tenhamos acertado ou, pelo menos, chegado perto. Sabemos, também, que o carnavalesco adequa a ordem de desfile dele de acordo como samba-enredo, então espero que a gente tenha sido feliz nesse sentido e que a Rosas tenha um bom resultado na avenida”, destacou.

Dante Batista, diretor de Harmonia da agremiação

Outro fato que envolve a Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo (Liga-SP) foi levantado por Dante Batista, diretor de Harmonia da agremiação: o horário do desfile. Em 2024, a escola será a última a se apresentar na sexta-feira de carnaval – combinação mais tarde possível no carnaval paulistano, dada a diferença de horários entre as primeiras e segundas noites na folia da cidade. “Que horas abre o parque? A gente vai desfilar no horário em que estaria abrindo o parque. Foi uma decisão interna da Liga, mas entre nós ficou muito mais gostoso, porque vamos desfilar em um horário de parque. Para gente foi um grande momento. Vamos ter a nossa escola presente, até porque se a gente voltar em 2017, fizemos um grande desfile sendo a última escola, por exemplo”, comentou.

Boa primeira impressão

Se não haviam pessoas tão efusivas quanto nas outras apresentações, a canção escolhida pela Rosas de Ouro agradou pessoas-chave na agremiação. Comandante da Bateria com Identidade desde 2014, Rafael Oliveira, o mestre Rafa, destacou que os ritmistas compraram a ideia dos compositores de maneira quase que imediata.

Rafael Oliveira, o mestre Rafa

“Gostei muito do samba, era algo que entre eu e a diretoria nós escolhemos nessa semana. Foi um samba que veio de uma semifinal sem torcida, foi um samba que a bateria escutou e abraçou. Eles vieram com a cara com a coragem, era um samba de melodia bacana e legal para nós, foi um samba que os ritmistas da bateria gostaram e escutaram. Pode ter sido um amor à primeira vista, sim. Aqui, inclusive, tem uma tradição: a bateria se manifesta na final. Eu nem fico na frente da bateria para não incentivar, mas eu sempre falo para o pessoal ficar à vontade para se manifestar – desde antes da minha chegada como mestre de bateria, é assim há muito tempo. Estamos felizes e realizados, só tinha gente da escola torcendo para o samba – e não somos contra torcida de amigos e etc, acaba abrilhantando o espetáculo. Mas ganhou o samba que o povo da escola queria”, comentou, aproveitando para elogiar o respeito entre os comandados.

Intérprete Carlos Jr.

Rafa continuou fazendo elogios à obra, aproveitando para relembrar ao menos uma vez em que os ritmistas não tiveram a preferência escolhida pela direção. “Tinham dois sambas que gostávamos bastante, que tinha muita possibilidade de trabalho, e esse era um dos nossos favoritos. Eu costumo falar que não trabalho muito com sinopse, eu cuido da melodia – quem tem que cuidar de sinopse é carnavalesco e comissão de carnaval. Graças a Deus ganhou um samba que queríamos trabalhar, aqui, em alguns momentos, não ganhou o samba que a bateria queria, já “perdemos”, mas tivemos um bom resultado – como em 2019, que não simpatizávamos, mas a canção nos proporcionou um mega trabalho, reconhecido com vários prêmios. O bom de ter um mestre de bateria de casa é que, se ganhar ‘Ciranda Cirandinha’ ou ‘Ilari Ilariê’, vamos tocar felizes. Nosso intuito aqui é colocar a escola entre as campeãs de novo, brigar pelo título e tudo mais”, brincou.

Mais sucinto, Uilian também aprovou a escolha. “Gostei muito da escolha, foi um samba abraçado pela comunidade e deu para sentir uma energia muito diferente dele. Estou muito animado com ele e muito feliz”, revelou.

De maneira mais técnica, Dante também teceu elogios à obra. “A ideia é uma proposta melódica que permite essa interação. Tem refrões bem construídos, faz a escola se mexer naturalmente. Os quesitos estão mudando e é uma oportunidade de nós melhorarmos a nossa evolução. Esse samba nos permite fazer isso”, comentou.

Processo de renovação

Apesar de deixar ótima impressão para público e crítica em 2023, com “Kindala! Que o amanhã não seja só um ontem com um novo nome”, a Rosas de Ouro teve dificuldades na apuração. A agremiação da Zona Norte ficou na 12ª colocação (a pior da heptacampeã do carnaval no Grupo Especial), apenas um décimo à frente da zona de rebaixamento.

O resultado seria desastroso por inúmeros motivos. Um deles versa sobre o orgulho da agremiação de nunca ter sido rebaixada – juntamente com a Mocidade Alegre, são as únicas escolas que nunca caíram de grupo. As notas, entretanto, não tem sido favoráveis à azul e rosa: desde 2019 a instituição não vai ao Desfile das Campeãs.

Time da parceria campeã no Rosas de Ouro

Para tentar recolocar a Rosas nas primeiras colocações, diversos processos estão sendo feitos, de acordo com Dante. “A gente tinha uma safra legal de sambas-enredo com propostas diferentes e a gente procurou escolher aquele que é mais adequado com a nossa estratégia de desfile. A Rosas de Ouro está passando por uma série de mudanças. A gente está pensando muito em reconhecer os nossos problemas e tentar superar. Acho que esse samba nos traz uma oportunidade melódica de fazer um carnaval mais leve e mais solto para a nossa comunidade. Foi isso o que pesou, mas eram três sambas legais. Acho que a gente teve uma condução muito bacana. O samba 9 é de compositores da casa, o 7 é da ala de compositores. Eu acho que saímos fortalecidos por trazer a nossa comunidade de volta. Conseguimos melhorar o horário e estou muito feliz com essa final”, aproveitando para falar da organização da instituição, que não contou com grandes atrasos para a escolha do samba-enredo.

A todo vapor

Muitos dos segmentos da agremiação já estão ensaiando para que todo o planejamento seja executado à perfeição. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, por exemplo, já está há quase um semestre em ação, conta Uilian. “Já estamos ensaiando desde março, que foi o mês que antecedeu a minha apresentação na comunidade. Agora, vamos conseguir ter uma dança mais contextualizada, com gestos e movimentos muito mais sincronizados com o samba e, possivelmente, com a bateria – sabemos que a bateria do Rosas costuma ter muitos breques e paradinhas. Ao longo desse trabalho, vamos conseguir incrementar para termos a unidade na apresentação, tanto junto com a bateria quanto na coreografia na pista em si”, revelou.

A festa da vitória da parceria na disputa de samba

Os ritmistas da Bateria com Identidade também já estão esquentando o couro – e logo no começo da semana, como é tradicional na Brasilândia. “Já estamos ensaiando, estamos lapidando um pessoal que veio de audições que realizamos. A partir de agora, começamos a fazer laboratórios e começamos a montar arranjos e testá-los. Continuam os ensaios de segunda-feira, e vamos passando para a bateria o que vamos criando”, finalizou Mestre Rafa.

- ads-

Império Serrano anuncia que Darlin não é mais rainha de bateria da escola

O Império Serrano anunciou nesta sexta-feira que Darlin Ferrattry não segue cono rainha de bateria para o Carnaval 2025. Veja o comunicado da escola. "A...

Carnavalescos da Grande Rio promovem visita mediada em exposição neste sábado

Neste sábado, 02 de março, às 14h, acontecerá uma visita mediada pela exposição "Laroyê, Grande Rio!", em exibição no Museu de Arte do Rio,...

União da Ilha anuncia saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira

A União da Ilha anunciou nesta sexta-feira a saída do casal de mestre-sala e porta-bandeira, Thiaguinho e Amanda. A dupla recebeu o prêmio "Estrela...