Mais de dois meses após escolher o samba que vai embalar o carnaval 2024, a Estácio de Sá iniciou o processo de gravação da faixa oficial para o disco da Liga RJ. O enredo para o próximo carnaval “Chão de Devoção: Orgulho Ancestral” foi traduzido musicalmente na obra encabeçada pelo compositor Júlio Alves. A ideia é trazer para a Sapucaí o povo preto que disseminou sua cultura e transformou a diáspora africana em solo brasileiro. A arte, religião e dança estarão presentes, conferindo protagonismo ao povo preto e nomeando os heróis e heroínas. No comando do carro de som do Berço do Samba, uma mudança significativa para 2024: Charles Silva irá acompanhar, no microfone oficial da agremiação, o cantor Tiganá, que no desfile passado teve voo solo. Charles Silva, que em 2022 foi a voz oficial da Unidos da Ponte e chegou a participar da preparação da escola para o último carnaval, conta que foi muito bem recebido pela comunidade do morro de São Carlos.

Fotos: Lucas Santos/CARNAVALESCO

“A Estácio é uma escola muito receptiva, eu fui abraçado pelo Berço do Samba, por toda a escola, por todos os segmentos, e principalmente ali no carro de som, o Hugo (Bruno) na direção, o Tiganá, que já vinha realizando esse trabalho e a gente agora está junto nesta empreitada. Estamos trabalhando muito para que a gente possa ter o melhor resultado possível e com certeza fazer uma grande espetáculo na Marquês de Sapucaí “, promete Charles.

Agora tendo a companhia do jovem cantor, Tiganá conta que na organização do trabalho dos dois não existe vaidade e que a chegada de Charles só vai fortalecer o carro de som da agremiação.

“Não há uma divisão, é uma união, agora somos um só. É uma dupla que representa uma voz só, e posso garantir para vocês, ano passado já foi bom, mas esse ano será melhor ainda. Quem tem que se preocupar são os outros. Porque o carro de som da Estácio de Sá está mais fortalecido do que nunca”, afirma Tiganá.

Além de Júlio Alves, a obra escolhida pela escola teve como demais compositores: Claudio Russo, Magrão do Estácio, Filipe Medrado, Thiago Daniel, Diego Nicolau, Tinga, Dilson Marimba, Guilherme Karraz, Barbara Fonseca, Telmo Augusto e Marquinhos Beija-Flor. Tiganá aponta que o trabalho é facilitado por a escola ter selecionado uma grande obra, segundo o cantor, a partir de uma grande safra.

“A safra de sambas da disputa da Estácio esse ano foi maravilhosa, ano passado já tinha sido excelente. A Estácio de Sá não deixa a desejar nunca em relação a samba. Todos os concorrentes deste ano estavam maravilhosos. Esse foi o samba escolhido, é esse que a gente vai levar para a Avenida, e esse que o Morro de São Carlos vai descer em peso na Sapucaí “, promete Tiganá.

Charles também elogiou a obra e mostrou confiança que a partir do trabalho desenvolvido pela escola na preparação e na gravação, o samba será um dos mais elogiados da Série Ouro.

“A gente tem um grande samba, a gente tem ciência da jóia que a gente tem. Agora estamos trabalhando, temos uma equipe técnica muito boa e a gente tem certeza que a faixa da Estácio será um sucesso, vai ter surpresa para vocês”.

Chuvisco adequa andamento a características do samba

Desde 2019 de volta ao cargo de comandante da bateria “Medalha de Ouro”, mestre Chuvisco gabaritou o quesito nos dois últimos carnavais na Série Ouro. Querendo manter a correção no trabalho, Chuvisco conversou com a reportagem do CARNAVALESCO durante a gravação da faixa oficial da Estácio de Sá em Marechal Hermes e explicou que procurou adequar o trabalho com os ritmistas à obra que a agremiação vai levar para a Sapucaí em 2024.

“O andamento, a gente teve um cuidado para este samba porque ele tem uma melodia muito rica, então , a gente não pode ceder muito no andamento, até para aproveitar essa melodia dele e para a gravação a gente está tocando ele bem cadenciado para o pessoal poder acompanhar bem a letra e a melodia, e tenho certeza que todo mundo vai gostar”, espera o mestre.

Chuvisco também contou mais sobre os ensaios da “Medalha de Ouro” e prometeu muito toque de ancestralidade para o desfile.

“A gente ensaia todas as segundas-feiras, como de costume, por enquanto, e daí quando chega mais próximo do carnaval, a gente dá uma intensificada, coloca mais um dia, se necessário mais dois na semana, para poder chegar bem na Sapucaí e a bateria desempenhar um trabalho bem legal como temos feito nos últimos anos. A gente está preparando muita coisa boa, já que estamos falando de ancestralidade, da África, e vai ter muito coisa legal no desfile”, projeta Chuvisco

Ancestralidade presente na gravação da obra

“Vovó Cambinda, chama vó Maria Conga, a Estácio tem mandinga, a Estácio tem mironga” são versos do refrão principal do samba 2024 e já colocam toda a intenção do enredo também de combater o apagamento cultural causado por preconceitos estruturais contra tudo que venha do povo afro-brasileiro. Desta forma, a agremiação entende que isso inclui aprender sobre a história das irmãs e irmãos vindos de regiões da África, cuja, cultura culminou em solo brasileiro na diáspora africana.Para dar este clima, a escola vai apostar já na gravação em toque das religiões de matriz africana como esclarece o diretor musical da Estácio de Sá, Hugo Bruno.

“O objetivo é valorizar o samba, usar muita macumba, que o enredo já diz, sobre as pretas velhas. A nossa ideia é passar na gravação como se estivesse em um terreiro para valorizar esse samba maravilhoso da Estácio de Sá. Vai ter atabaque, muito agogô, muito caxixi, muita coisa diferente. O samba já veio pronto, não precisou mudar nada”, explica Hugo Bruno

Por fim, o diretor de carnaval do Berço do Samba, Edvaldo Fonseca, apresentou mais detalhes sobre o trabalho de ensaio de canto e de produção no barracão da escola.

“O trabalho já começou há um bom tempo porque esse ano a gente teve a prerrogativa de escolher muito cedo, já foi algo planejado, a gente queria ter todo o tempo do mundo para trabalhar bem ensaio de canto. Já temos trazido a comunidade com a gente. Estamos trabalhando a partir das consequências, porque a partir da escolha do enredo certo, a gente muita probabilidade de achar o samba certo, que foi o que aconteceu, e a partir daí vamos em um trabalho crescente. Estamos tendo uma adesão muito forte por parte dos segmentos, agora com a comunidade ratificando a nossa escolha. No barracão estamos bem adiantado, fizemos uma apresentação fechada dos protótipos. É um trabalho de coletividade, não tem estrela, tem a constelação que é a Estácio de Sá que todos brilham juntos”, entende o diretor de carnaval da Vermelha e Branca.

Em 2024, a Estácio de Sá irá se apresentar na sexta-feira de Carnaval, primeiro dia de desfiles da Série Ouro. O chamado “Berço do Samba” será a quinta agremiação a cruzar a Marquês de Sapucaí na ocasião.