InícioSão PauloCom canto forte, Rosas de Ouro fecha primeiro fim de semana de...

Com canto forte, Rosas de Ouro fecha primeiro fim de semana de ensaios no Anhembi com chave de ouro

Escola da Freguesia do Ó desfilou com muita leveza, alto astral e começa positivamente

A Rosas de Ouro entrou no Sambódromo do Anhembi, na noite do útlimo domingo para o seu primeiro ensaio técnico em 2022 e com um canto forte dos componentes, harmonia e evolução fluíram, com a bateria conduziu a escola. O samba da cura funcionou entre comunidade e carro de som. A escola entrou com uma faixa com o principal trecho do samba: “Entenda que o samba também tem o dom de curar”. Foram vistos componentes representante diversas religiões, já uma mostra do que virá no desfile, inclusive, a presidente Angelina, representando Madre Teresa (foto).

Fotos de Felipe Araujo/Divulgação Liga-SP

Harmonia é o principal destaque

De ala a ala, a Rosas de Ouro cantou muito forte o samba-enredo ‘Sanitatem’, e passou com muita tranquilidade pelo Anhembi. Deu para sentir o astral, a empolgação e a leveza da escola neste retorno ao palco do samba. A escola fluiu muito bem no quesitoe também em a evolução. As alas fizeram coreografia, leve, em momentos fazendo o sinal de reza e fé, também utilizaram paradinha com aplausos e canto forte da comunidade.

Fica até difícil destacar uma ala, afinal, a roseira funcionou muito bem neste ensaio. Sem pedir que evolução e harmonia cobrassem rigidamente, a comunidade estava afiada. A ala Raça veio cantando, coreografando, assim como a D’Boemia mostrou. Ala das baianas também cantou, e na roupa alternaram algumas com branco e outras de rosa, contraste bonito.

O diretor de carnaval, Evandro do Rosas, comentou sobre o ensaio: “A gente sai daqui com o saldo positivo. Depois de dois anos praticamente parados. Hoje conseguimos juntar todos os segmentos. A gente deu um primeiro passo muito importante para aprimorar até o desfile. E o canto da escola me agradou bastante”.

Em outro momento, o diretor falou: “Temos que acertar um pouco a questão de evolução da escola. Mas que dá para se entender por conta de dois anos parados, primeira vez que a gente encontra o pessoal. Mas mesmo assim foi muito bom, mas a gente sabe que pode ser muito melhor, a escola pode render muito mais”.

Por fim, Evandro relatou o que pode melhorar: “Saldo positivo, bom, pode chegar no ótimo, dá para melhorar bastante. Mas é muito bom o que a gente fez aqui. A questão da parada com o recuo, a gente precisa acertar, pois é muita gente envolvida neste momento em setores diferentes da avenida, então são acertos pequeninhos para no dia passar perfeito na avenida”.

Mestre-sala e porta-bandeira

O primeiro casal da roseira, Everson Sena e Isabel Casagrande, mostrou desenvoltura e entrosamento ao carregar o pavilhão, cumprindo os requisitos em cada módulo. Fizeram seu bailado vestindo dourado, vermelho e laranja. Simularam apresentação para todas as cabines, e foram aplaudidos pelo público presente no ensaio. Um momento legal, mas antes de entrar na pista, foi a união dos mestres salas e porta bandeiras na concentração. Misturaram os pavilhões, deram as mãos e fizeram uma dança entre eles.

A porta-bandeira Isabel Casagrande fez uma análise sobre o primeiro ensaio neste retorno: “Fazia tempo que a gente não fazia esse ensaio técnico geral e tem bastante que coisa que precisamos ajustar. Hoje a gente pode errar, mas no dia do desfile, não. Porém, o que pesa mesmo é a resistência. Muito tempo parado, judiou de nós. Eu não me daria 10, mas estamos no caminho dos 40”.

Enquanto o mestre sala também elogiou desempenho, Everson Sena avaliou: “Acho que a gente veio bem. A fantasia ajudou para ajudar na resistência e então depois de dois anos, sentir o chão da escola no Anhembi, faz toda diferença para nós. Então, eu acredito que foi interessante, mas no próximo, com certeza vai ser melhor. A partir de segunda-feira, a gente começa os ensaios técnicos aqui no Anhembi. Já ajuda a gente entender e sentir o chão”.

Samba-enredo pegou

Neste primeiro ensaio, a escola mostrou que o samba-enredo tende a funcionar. Com uma temática muito atual, rituais de cura, foi cantada da concentração até a dispersão com muita força dos componentes. O carro de som comandado por Royce do Cavaco também desenvolveu sua parte positivamente. O começo do samba é o que chamou mais atenção: “Vem celebrar, é festa no terreiro Tem Identidade, meu batuque curandeiro Saudade de te abraçar Rosas, a mais linda flor num gesto de amor”.

Royce do Cavaco avaliou o primeiro ensaio técnico: “A atmosfera foi muita boa. O samba ajuda, a bateria é sensacional, estamos com o carro de som redondo, é só acertar algumas coisas e, na minha humilde opinião, foi muito bom. É um samba que saiu da mesmice. Buscou um caminho diferente, tanto em letra, como em melodia e abusou de um artifício que é subida lá no ‘coqueiro’ da melodia e descidas lá embaixo. A gente tem que ter muito cuidado e muita inteligência para subir no agudo e descer no grave”.

De domingo a domingo, a Rosas saiu do ensaio de rua para o do Anhembi, e o intérprete relatou: “Aqui no Anhembi é tudo diferente da quadra, porque não se tem visão da evolução e de comunhão. Muitas alas ensaiam até fora, mas aqui na passarela chegam mais pessoa. Isso é Roseira”.

Bateria

A bateria comandada por mestre Rafa brincou na avenida. Como o mesmo disse em conversa na última semana na quadra: ‘é uma bagunça organizada’. E foi justamente isso, um show à parte. Em alguns momentos na última estrofe do samba, os ritmistas agachavam, e depois levantavam. Também em um determinado momento, acendiam uma espécie de sinalizador no meio da bateria.

De modo geral junto com a harmonia, foi ponto alto da escola. Souberam fazer o que pede o regulamento, e junto trouxeram entretenimento para a escola, público, ou seja, muito bem conduzido com seu ritmo e realizando ao menos quatro bossas. A rainha Ana Beatriz Godoi estava toda de dourado e reinou. E, atrás da bateria, jovens com roupa clara, com pintura semelhante a indígena, maioria de mulheres. Só um detalhe é a movimentação dos componentes, que acaba sendo bem interativa entre a própria bateria e a escola, mas que acaba chamando atenção do diretor de carnaval relatado a cima.

Mestre Rafa fez sua análise: “Foi bacana. Pequenos detalhes mesmo. Coisa bem básica assim para arrumar. A gente conseguiu entregar 95% do que a gente queria, que a gente vem ensaiando, afinal de contas são dois anos ensaiando. Tinha uma obrigação de apresentar um bom trabalho no meu ponto de vista. Se a minha comunidade, meus ritmistas, minha diretoria está feliz, eu estou feliz também e satisfeito, completo. Porque na hora que passamos naquela faixa amarela ali a gente vê no olhar de cada um, no sorriso de cada um, a gente vê que entregou um trabalho, as pessoas parabenizando, e isso para nós é sem preço, independente de nota. Nota é muito importante mas o reconhecimento do povo é “fo..”, não tem preço”.

O comandante da “Bateria Com Identidade” que contou com componentes de pintura facial no estilo indígena. “No geral a escola pode cantar mais. O andamento da escola, de evolução, deu uma oscilada. Isso eu posso fazer porque a gente andou rápido, um pouquinho devagar, mas é tudo detalhes que a gente tem que ajustar. Na bateria mesmo hoje, no meu ponto de vista eu não vi muita coisa. Agora eu vou conversar com meus diretores, com a rapaziada, e no mais o que senti assim foi 95% mesmo, pouquíssima coisa. O único problema mesmo foi lá no começo mesmo, na chamada, na hora que começou mesmo deu aquela “rateada”, mas a gente contornou e veio tirando onda, do jeito que a gente gosta”.

Por fim, mestre Rafa disse o ponto máximo do ensaio: “A energia da rapaziada. Não vou nem fala de bossa grande, nem de nada. A energia deles, a energia da rapaziada, do meu povo. A energia deles é tudo para mim, a troca de energia que a gente tem é foda. Esse é o ponto forte da Bateria com Identidade”.

Evolução

Como citado acima, a evolução da Rosas de Ouro funcionou dentro do que é pedido no regulamento. Fez um desfile dentro do tempo, sem correr, pelo contrário, passou com muita tranquilidade e harmonia. A comissão de frente veio de branco, com emblema da Rosas nas costas uma apresentação protocolar e discreta, deixando o mistério maior para o dia do desfile…

Outros pontos

A escola teve presença da musa Thais Bianca que veio com uma fantasia que chamou muito atenção. No início interagiu bastante com a bateria, depois esteve de destaque de chão. Outra destaque é a passista do Salgueiro, e musa da Rosas, Fernanda Catanoce. A ex-BBB, Munik Nunes também esteve presente com um visual colorido. Temos que destacar a presidente Angelina Basílio, vestida de Madre Teresa, e mostrou muita força no antes e depois do desfile no recado dado para a comunidade. Ou seja, a escola teve caracterizações ao tema, teve pessoas ligadas as diversas religiões entre musas e destaques que estarão nos carros alegóricos. A roseira contou com a força da torcida que marcou presença, acendeu sinalizadores, tremulou bandeiras, e foi onde a escola mais mostrava empolgação.

Mais imagens do ensaio

- ads-

União do Parque Acari anuncia renovação de Cida Lima e novo reforço para direção de carnaval

A União do Parque Acari está a todo vapor preparando-se para o Carnaval de 2025, e as novidades não param de chegar. A agremiação...

Multivacinação movimenta dia de ações sociais no Salgueiro

No último sábado, a quadra do Acadêmicos do Salgueiro, localizada na Rua Silva Teles, no bairro do Andaraí, foi palco de uma importante iniciativa...

Marcus Ferreira é o novo carnavalesco da União da Ilha

Após a reeleição do presidente Ney Filardi, no domingo, a União da Ilha anunciou a contratação do carnavalesco Marcus Ferreira, que estava em 2024...