O Império da Tijuca apresentou no último domingo sua equipe de carnaval e o enredo “Sou Lia de Itamaracá curando a vida na beira do mar” com a sua tradicional Feijoada Imperial, no salão nobre do Tijuca Tênis Clube. Após um bom carnaval nesse ano, a escola do Morro da Formiga aposta novamente em um trabalho solo de Júnior Pernambucano para voltar ao Grupo Especial. O evento contou com a presença da própria Lia de Itamaracá, a Rainha da Ciranda. Houve também show com os segmentos, e apresentações dos grupos Casa do Saber Popular e Brincantes da Pedra Branca. * LEIA AQUI A SINOPSE

Fotos: Augusto Werneck/Site CARNAVALESCO

Momentos antes da apresentação da equipe de carnaval, Lia de Itamaracá, contou ao site CARNAVALESCO sobre o sentimento de receber essa homenagem. Emocionada, ela não fez exigências em relação à construção do enredo.

“Quando o convite chegou para mim, eu não pensei três vezes. Não vai faltar nada (sobre mim no enredo). A escola de samba é uma união, todo mundo junta e dá as mãos, é como a ciranda”, disse Lia.

A apresentação iniciou com a Rainha da Ciranda junto com os grupos Casa do Saber Popular e Brincantes da Pedra Branca. As cirandas típicas de Pernambuco contagiaram o local. Os segmentos e o público presente abriram uma grande roda no centro do salão para celebrar o momento.

Após o show começou a dança do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Renan Oliveira e Laís Lúcia Ramos, ao som do samba de 2023 “As cores do Axé”. O espetáculo contou com sambas históricos interpretados pelo carro de som da agremiação e pela bateria “Sinfonia Imperial”. A ala de passistas, baianas e velha-guarda também se apresentaram.

Quarta colocada na Série Ouro no carnaval de 2023, a Verde e Branca do Morro da Formiga vem confiante para mais um ciclo. O enredo sobre Lia de Itamaracá é o pontapé inicial para a preparação de um grande desfile. Os segmentos estão trabalhando para que a tão sonhada volta ao Grupo Especial se torne realidade.

A ideia de homenagear Lia de Itamaracá partiu do carnavalesco Júnior Pernambucano. Nascido e criado em Pernambuco, o artista teve sua infância marcada pelas cirandas de Lia. Além do Império da Tijuca, a escola do Grupo de Acesso I paulista Nenê de Vila Matilde também irá contar a história da Rainha da Ciranda. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, Júnior falou sobre a ideia do enredo e as diferenças em relação a abordagem da escola da Vila Matilde.

“Eu sou pernambucano. Desde criança, meu sonho era realizar esse enredo. Desde pequeno, eu vi várias cirandas da Lia, ficou registrado na minha memória. É o mesmo pensamento em relação ao sentimento de infância. O Fábio Gouvêa, carnavalesco da Vila Matilde, também é pernambucano. Eu acredito que vão ser linhas diferentes, será uma grande homenagem a Lia”, disse Júnior.

O presidente Tê tem total confiança no trabalho de Júnior Pernambucano. Os dois trabalharam juntos no título da Série Ouro em 2013 e no desfile do Grupo Especial em 2014. Após o fim da dupla com Ricardo Hessez, Júnior terá mais uma vez o desafio de assinar um desfile sozinho.

“Eu não posso falar mal do Juninho. Ele sempre fez carnavais dignos de título. No primeiro ano em que ele trabalhou comigo, foi campeão, em 2013. No ano seguinte, em 2014, ele fez aquele grande carnaval, o “Batuk”, e fomos injustiçados. Agora foi a hora de trazê-lo de volta e dar continuidade ao trabalho que ele vinha fazendo”, expressou Tê.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Renan Oliveira e Laís Lúcia Ramos, já começou a ensaiar para o ano que vem. Renan e Laís ganharam dois 9,9 e duas notas dez dos julgadores, no último carnaval. Mesmo considerando o resultado positivo, o foco do casal é melhorar ainda mais no próximo desfile.

“Esse ano nós fizemos um dos nossos melhores desfiles juntos. A gente ficou muito feliz pela execução do trabalho. O importante para a gente foi ter treinado e conseguido executar a nossa proposta”, explicou Renan. ”Já começamos os nossos ensaios com todo amparo que a escola está dando para a gente, justamente para apresentar um carnaval diferente e superarmos o de 2023, e todos carnavais que já apresentamos anteriormente. Vai ser um carnaval inesquecível para nós dois, nós já colocamos isso como meta”, completou Laís.

A “Sinfonia Imperial” também está se preparando para 2024. Comandada pelo mestre Jordan, a bateria do Império da Tijuca conseguiu três notas dez e um 9,9. Segundo o mestre, o público pode esperar novamente uma performance cheia de surpresas.

“Em relação ao nosso trabalho de 2023, eu tenho um saldo muito positivo. Graças a Deus, consegui alcançar o meu objetivo, que foi as três notas dez para a escola. Em 2024 vocês podem esperar que a Sinfonia virá com mais força ainda. Com um enredo desse, sobre a Lia de Itamaracá, com certeza virão surpresas por aí”, revelou Jordan.

O carro de som imperial também está mantido para 2024. O intérprete Daniel Silva exaltou o trabalho feito para 2023 e fez projeções para o próximo carnaval.

“Foi o melhor possível. Logicamente que a gente treina e ensaia para alcançar o primeiro lugar. Mas é um degrau após o outro. Estamos felizes com o quarto lugar, a escola ensaiou bastante. Foi um desfile maravilhoso, graças a Deus e a essa comunidade incrível. Demos a largada para o carnaval de 2024, um enredo maravilhoso sobre a Lia de Itamaracá, que é um ícone da cultura nacional. Não só eu, como toda a escola e o carro de som, estamos empolgadíssimos, porque fazer uma homenagem a uma pessoa em vida é um sabor diferente”, disse Daniel.