A fantasia é multicolorida. Alguns carregam uma bola de borracha, outros uma sombrinha com a mesma estampa da roupa. Os bate-bolas, também chamados por Clóvis, são personagens tradicionais do Carnaval e marcam presença todos os anos pelas ruas dos bairros do subúrbio carioca e de cidades da Baixada Fluminense e do interior. A representatividade é tamanha, que há dez anos foram considerados patrimônio cultural do Rio. Este ano, pela primeira vez, as turmas de bate-boleiros do Estado do Rio de Janeiro foram contempladas pelo edital “Folia RJ 2023”, realizado pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa.

Foto: Carlos Magno/Divulgação

“O Carnaval é uma importante manifestação de nossa identidade cultural. Nada mais justo do que os bate-bolas, que são personagens típicos da festa, fossem incluídos no edital. Eles são um verdadeiro fenômeno cultural, que se manifestam de forma alegre e irreverente para toda a população”, afirma o governador Cláudio Castro.

Ao todo, 117 turmas de bate-bolas se inscreveram para as 100 vagas abertas no edital. Entre os grupos, 77 cumpriram com as exigências estabelecidas e 40 foram desabilitados. O investimento total nos famosos foliões fantasiados é de R$ 1,925 milhões, garantindo o valor de R$ 25 mil para cada projeto aprovado.

“Pela primeira vez o Estado vai contemplar representantes de bate-bolas em todo território fluminense. Este processo é fruto do trabalho que temos realizado, de escuta e identificação das demandas da população. Além disso, a iniciativa celebra a cultura rica e plural do Rio de Janeiro”, destaca a Secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros.

O número de componentes de cada turma varia. Há grupos com 10 e outros com mais de 300 integrantes. São homens, mulheres e crianças mascarados com belas fantasias, que despertam a curiosidade de quem os encontra pelas ruas, provocando um misto de adoração e terror. São palhaços com rostos encapuzados, mas vestidos delicadamente com volumosos macacões de cetim, luvas, meias e penas coloridas, além de casacas com desenhos infantis feitos à mão e cheios de purpurina. Eles passam o ano inteiro costurando as próprias roupas, longe do Sambódromo e fora do sinal das transmissões oficiais de televisão.

Tanta dedicação exige tempo e muito investimento. De acordo com o bombeiro hidráulico Leandro Machado, de 36 anos, que há 23 é bate-boleiro da ‘Turma Encanto de Mesquita’, cada fantasia pode custar mais de R$ 2 mil para ser confeccionada. São gastos, em média, 20 kg de tinta, sem falar nas purpurinas e outros adereços. Para Leandro, ter sido contemplado pelo edital do Governo do Estado foi uma grande alegria.

“Esse edital do Governo do Estado do Rio de Janeiro, pra nós, bate-boleiros, é de muita importância. Nós nunca tivemos a ajuda de nenhum órgão público. Não temos só o gasto com a fantasia, também gastamos com o aluguel de ônibus, fogos, som, pula-pula para as crianças, e até para música. Só que a maioria da galera é assalariada, então, essa ajuda está caindo do céu. É muito bom ter esse apoio do Estado porque é uma cultura que a gente ama muito. Eu amo desde criança e, pela primeira vez, em 23 anos usando essa fantasia, fazendo, produzindo, me empenhando, a gente vai ter um incentivo”, diz Leandro, que ainda construiu uma família no mundo dos bate-bolas.

“Eu poderia caçar aqui mil palavras pra tentar explicar esse amor, mas é um amor que muitas pessoas não têm nem noção do que é o bate-bola pra gente, que ama esse personagem de verdade. O mundo dos bate-bolas me deu uma família. Conheci a minha esposa no Carnaval e estamos há 15 anos juntos, com nossos três lindos filhos. Então foi nesse mundo, do Carnaval, no mundo da fantasia, que eu a conheci. O bate-bola é um sonho”, completou.

Se para o representante da ‘Turma Encanto de Mesquita’ o Carnaval rendeu uma família, para o cabeça da turma de bate-bolas ‘Luxúria de Rocha Miranda’, o produtor cultural e também bate-boleiro Rafael Crispim, o Carnaval trouxe muito mais. No barracão onde produz e confecciona as fantasias e adereços, Rafael emprega 12 pessoas, como costureiras, aderecistas, auxiliares de produção e estamparias, formando uma grande família. A maioria, jovens do bairro, que além de aprender uma profissão, ainda contribuem para o orçamento de casa. Rafael e sua turma chegam a trabalhar 16h por dia, para que no Carnaval possam levar alegria aos foliões.

“Eu comecei no bate-bola em 2013. Então, lá naquela época, comecei a fazer um bate-bola diferente, e o pessoal começou a me procurar para fazer igual. Como foi crescendo, fui precisando de mão-de-obra e fui chamando pessoas para me ajudarem. Fui ensinando, eles estão aprendendo, vou capacitando e tirando também os jovens da rua para me ajudarem, terem dignidade”, diz Crispim, que vende a roupa do ano para quem tiver interesse ou doa às crianças do bairro. Ele faz questão de frisar que fazer parte do Edital “Folia RJ 2023”salvou o Carnaval dele e de outras pessoas.

“Eu perdi muita coisa por causa da chuva. Agradeço demais ao Governo do Estado por essa ajuda que eles estão dando. Antigamente o material era barato, depois da pandemia duplicou. O metro do acetato era R$ 7, está R$ 18. A gente comprava o material por um preço e virou outro. Então, todo bate-boleiro que pegou esse edital vai conseguir colocar uma fantasia de qualidade na rua. Esse dinheiro do Governo do Estado vai me ajudar e ainda poderei contribuir com os meus componentes. Esse edital aí é uma maravilha, vocês não sabem a alegria que estou sentindo”, comemora.

Para conquistar novos adeptos ao universo dos bate-bolas, Hugo Soares Pereira, de 37 anos, criou até um podcast para propagar a cultura dos grupos. Ele conheceu esse meio ainda bem pequeno, vendo a mãe costureira fazer várias fantasias para as turmas de foliões mascarados de Realengo, na Zona Oeste da capital.

“Todo mundo conhece a minha história. Eu cresci vendo a galera saindo de bate-bola, costurando, confeccionando e, por isso, ficou essa paixão até hoje. Logo após a pandemia, comecei a perceber que os bate-bolas são muito carentes de audiovisual. Criei um podcast e convidei todas as turmas de bate-bolas pra contarem as suas histórias. A importância do podcast é divulgar ainda mais a cultura. Eu não tenho bandeira, sou bate-bola. E não só propagar a cultura, hoje quem está por trás das máscaras são trabalhadores. A ideia é mostrar isso para o mundo, para outras partes que não conhecem a cultura bate-bola. Esse edital ajuda esses trabalhadores. Para montar um bate-bola é muito caro e o edital está trazendo para eles essa ajuda a mais, esse plus, para continuar essa tradição”, declarou Hugo.