InícioGrupo EspecialBaianas retratam discussão sobre intolerância religiosa em desfile da Mangueira

Baianas retratam discussão sobre intolerância religiosa em desfile da Mangueira

A Estação Primeira de Mangueira levou para a Avenida o enredo “A verdade vos fará livres” no qual evidência mais de uma face de Jesus que, agora, ressuscita na comunidade da Mangueira exaltando os humildes, com coragem e com amor. Além disso, a escola promoveu um debate sobre as diretrizes que as religiões estão tomando, tanto na parte de opressão ao próximo quanto na intolerância religiosa que aflige crenças ditas subversivas ao que o ocidente acostumou-se a enxergar como o certo e verdadeiro.

Sendo assim, a campeã do carnaval de 2019 escolheu a ala das baianas para representar o pesado fardo de carregar a cruz da opressão e evidenciar as religiões de matrizes africanas. O conjunto era de fácil entendimento e caracterizava as baianas do jeito mais tradicional, retornando as raízes do religião.

Na fantasia, a inspiração em Oxalá era nítida. A saia era branca com tecidos de renda e na borda a coloração imitando ouro. Na altura do peito, um grande laço com mais alguns babados com a mesma cor com a palavra “Oxalá” escrita e a presença de búzios reafirmam a religião. Nos pulsos, braceletes na cor amarela, davam um brilho a mais na hora do giro e na mão, um leque feito de palha.

Nas costas das baianas, a presença de uma enorme cruz com a coloração dourada dava um peso a mais na fantasia e quando executado o giro, o efeito luminoso – em consequência da iluminação da Sapucaí – ressaltavam a riqueza dos matérias e sua confecção. Por fim, a cabeça era coberta por um pano branco e com pequenas “cordas” tapando os seus rostos em uma referência direta à Oxalá, a figura referente a de Jesus Cristo em religiões de matrizes africanas.

Componente da ala, Maria Nazaré, que desfila desde 1989 na escola e chega ao seu terceiro ano na ala das baianas, falou sobre a emoção de fazer parte dessa ala tão tradicional.

“Quando entrei na Mangueira já sonhava em ser baiana, mas a oportunidade não aparecia. Três anos atrás, consegui entrar e agarrei essa oportunidade. Fantasia de baiana nunca é leve e essa é volumosa, mas quando a gente entra na Avenida parece que tudo fica mais leve e só vamos seguindo!”, revelou Maria Nazaré.

- ads-

É a bateria do Zaca! Mestre Serginho se diz contente pela proposta diferente e conquista do Estrela do Carnaval

A “Bateria do Zaca” vive uma fase espetacular. É o segundo ano consecutivo em que a batucada comandada por mestre Serginho conquista os 40...

‘Reflete a alma e a ancestralidade que o Salgueiro tanto valoriza’, diz Jorge Silveira sobre o enredo para o Carnaval 2025

O carnavalesco Jorge Silveira falou sobre o enredo do Salgueiro para o Carnaval 2025, que foi divulgado na noite desta sexta-feira. Intitulado "Salgueiro de...

Conheça o enredo do Salgueiro para o Carnaval 2025

“De corpo fechado”: preparo o tacho de óleo de oliva, arruda, guiné, alecrim, carqueja, alho e cravo. Com o sinal da cruz na fronte,...