InícioEspecialBaianas da São Clemente se apresentam com crítica às escolas que pedem...

Baianas da São Clemente se apresentam com crítica às escolas que pedem componentes emprestadas para montar a ala

Por Nathália Marsal

O aviso “Promoção imperdível: aluga-se baiana” na fantasia das baianas da São Clemente parecia mesmo fazer uma oferta de mercado. Afinal, diversas mulheres que estavam ali hoje com a sua saia rodada já desfilaram ou vão desfilar em outras escolas neste carnaval. Acompanhando o enredo “E o Samba Sambou”, uma reedição do de 1990, ala das baianas trouxe uma crítica às escolas que não têm mulheres suficientes e precisam trazer muitas de outras agremiações.

Clemilda Maria de Souza, de 63 anos, começou a maratona com diferentes roupas de baiana na sexta-feira, com a Acadêmicos da Rocinha. Depois, rodou com a Imperatriz e São Clemente. Ela ainda rodará sua saia na última escola a cruzar a Avenida nesta segunda-feira, a Mocidade Independente de Padre Miguel. Na terça, será a vez da Lins de Imperial, na Intendente Magalhães. Apesar da lista de desfiles, Clemilda torce mesmo para a Unidos de Vila Isabel, mas, por conta dos horários de ensaio, não conseguiu desfilar na sua favorita.

“A gente não recebe nada, vai por amor. Eu era passista, mas hoje não tenho mais condições. Então, há 15 anos, escolhi brincar de baiana. Só precisamos ser mais valorizadas, pois carregamos muito peso, e as presidências só sabem cobrar”, contou.

Gabriela Lopes, de 26 anos, sai pela Preta e Amarela da Zona Sul há dois anos, mas é sua primeira vez na ala das baianas da escola. A vontade de ser uma das mulheres de saia rodada começou na União do Parque Curicica, aos 15 anos. Gabriela se destaca pela idade já que muitas baianas são idosas.

“Falta uma atenção voltada para as baianas nos ensaios. Usamos fantasias que pesam mais de dez quilos. Precisam pensar mais nesse peso, na nossa saúde. Já vi muitas desistirem de entrar na Avenida por isso”, afirmou.

Baiana desde os 18 anos, Luzia Alves, de 73, desfila desde 2009 pela São Clemente, mas já passou pela Imperatriz Leopoldinense, Salgueiro, Mangueira e Paraíso do Tuiuti. Ela começou a se arrumar às 19h e só vai parar depois do desfile da Paraíso do Tuiuti, no qual também pretende desfilar.

“Enquanto der para brincar, a gente vai. A maioria aqui é emprestada. A baiana é a alma da escola. Nós não ganhamos nada, mas a escola perde ponto se não formos ao desfile”.

A ala das baianas é uma obrigatoriedade das agremiações, que devem levar para a Avenida, pelo menos, 70 mulheres, valendo ponto para a escola.

- ads-

Grande Rio faz primeira reunião com a comunidade e presidente de honra crava: ‘2025 será incrível’

Depois de lançar o enredo que levará para a Avenida em 2025, a Acadêmicos do Grande Rio iniciou o trabalho junto a sua comunidade....

Porto da Pedra confirma Mauro Quintaes na equipe de 2025

A Porto da Pedra confirmou o nome do carnavalesco Mauro Quintaes no time de 2025. O artista, que assinará seu sétimo trabalho na vermelha...

Sinopse da Beija-Flor de Nilópolis para o Carnaval 2025

Enredo: “LAÍLA DE TODOS OS SANTOS, LAÍLA DE TODOS OS SAMBAS” INTRODUÇÃO / JUSTIFICATIVA "Veje bem", A importância do Laíla para o Samba e o Carnaval é...