No dia de São Jorge, 23 de abril, como é tradicional para a comunidade da Zona Leste, a Acadêmicos do Tatuapé apresentou seu enredo para o carnaval de 2024: “Mata de São João – Uma joia da Bahia, símbolo de preservação! Entre cantos e tambores. Viva a Mata de São João!”. O site CARNAVALESCO marcou presença no evento e conversou com personagens sobre o que está por vir no próximo carnaval.

Fotos: Fábio Martins/Site CARNAVALESCO

Depois de cantar Paraty, a Tatuapé cantará sobre a Mata de São João. Será mais um enredo chamado como CEP, a agremiação da Zona Leste de São Paulo teve sucesso no bicampeonato com Zimbábue e Maranhão, depois o quarto lugar com Atibaia e Paraty. Um dos presidentes da escola, Eduardo Santos falou para o site CARNAVALESCO sobre a escolha para 2024.

Logo do enredo do Tatuapé para o Carnaval 2024

“O importante é como a gente vai desenvolver o enredo. O fato de ser um enredo que, mais uma vez, homenageia uma cidade, não nos incomoda. Se não fosse, não nos incomodaria. O importante, para nós, não é o tema que a gente está lançando: é o que faremos com ele, o desenvolvimento que daremos. Partindo disso, não temos resistência alguma aos enredos que o pessoal chama de CEP [Cidade, Estado e País], nós fazemos homenagens a cidades com histórias maravilhosas, características principais e tudo que ela nos oferece para transformar em um grande desfile. É isso que faremos mais uma vez. Homenagear Mata de São João, Paraty, café ou Beth Carvalho, para nós, é só o tema: o importante é como vamos desenvolver isso”.

Presidente Eduardo Santos

Carnavalesco e presidente contam sobre desenvolvimento do projeto

O carnavalesco Wagner Santos falou sobre as diferenças de abordagem no enredo para o carnaval de 2024: “Esse ano pretendo partir para um encaminhamento totalmente diferente. Para não ficar muito repetitivo, não se tornar um roteiro turístico de cidades, vamos partir para a história. Pois a Mata de São João, ela é muito Bahia, então nós vamos tratar, apresentar, mas com todo um espírito baiano. A cidade mantém as mesmas tradições que são mantidas na capital em Salvador, mantém as mesmas tradições e festividades acontecem na Mata de São João. Então vamos fazer um carnaval diferente, até porque a Bahia, é uma história à parte, ela te proporciona muitas coisas, muitos objetivos, formas, que você pode transformar isso em arte visual, cênica, e trazer grande impacto visual, essa é a ideia do enredo”.

Carnavalesco Wagner Santos

No sexto carnaval consecutivo na Acadêmicos do Tatuapé, Wagner Santos reforçou sobre o enredo que irá apresentar em 2024: “Não é simplesmente para dar aquela coisinha muito roteiro turístico, vamos apresentar espetáculos existentes na cidade, tudo de uma forma muito baiana, raiz baiana, vamos manter as raízes africanas, e as festividades, a religiosidade é muito importante na questão da Bahia, no estado todo, também culinário, diversos aspectos, músicas, danças, todos os tipos de espetáculo existentes na grande Bahia. É uma formação só, falar de Mata de São João, e retratando os principais atrativos turísticos na cidade, mas você misturando isso com muita festividade, alegria, e que realmente é o espírito baiano”.

Um dos presidentes da agremiação, Eduardo Santos, falou sobre a parte plástica que está esperando para 2024. Claro, são muitos meses antes, e o projeto ainda está em andamento, como o próprio ressaltou.

“Tenho certeza absoluta que o Wagner e a equipe dele vão transformar esse tema em uma plástica maravilhosa. A Tatuapé vem com fantasias e carros maravilhosos, como sempre vem, bem como o samba. Isso é o desenvolvimento do enredo. O tema não é uma questão que define o que vamos desenvolver, embora seja importante. O desenvolvimento é o passo posterior à negociação, e agora vamos desenvolver da melhor maneira possível e transformar isso no melhor desfile da nossa vida”.

Por fim, Eduardo Santos falou sobre os contatos iniciais com o município baiano, antes mesmo do carnaval de Paraty. Mas disse que ainda tem muito a desenvolver nos próximos meses para chegar no carnaval de 2024.

“Não é que o projeto todo estava pronto, é que o cronograma inteiro foi feito com antecedência. Já tínhamos alguns primeiros contatos antes mesmo do desfile de 2023, embora ainda não estivesse fechado. Isso ajuda bastante. É a partir de agora que vamos, definitivamente, colocar tudo no papel, a ideia vai virar desenho, depois vai virar piloto, e depois vem alegoria, fantasia e samba. É assim que a gente faz”.

Celsinho Mody aprova enredo e fala sobre samba-enredo

Renovado e feliz na comunidade da Zona Leste de São Paulo, Celsinho Mody vai para mais um carnaval no carro de som da Acadêmicos do Tatuapé. Em conversa com o site CARNAVALESCO, falou um pouco sobre a percepção dele do enredo para 2024 e a escolha de CEP.

Intérprete Celsinho Mody

“É uma honra, estamos há oito anos nos tratando com muito carinho e respeito. Renovamos nossos votos de felicidade, tanto eu muito feliz como a escola muito feliz. Então vamos por um carnaval de muita conectividade, todo mundo emanado, coligado, em um tema que a diretoria deu abertura para a escola escolher, e a escola escolheu. Vocês viram a repercussão que foi. Uma escola que gosta de africanidade, e o CEP é uma característica que a comunidade gosta. Pessoal fala que a importância de uma escola de samba é contar história do Brasil, e essa foi a forma que encontramos de acrescentar com a história do Brasil. Sabe que depois do carnaval encontrei umas crianças que me falaram que responderam à prova falando de Paraty com o samba-enredo do Tatuapé. Para mim isso é muito gratificante, é o intuito real da escola de samba, passar cultura. Me sinto honrado em participar de uma escola de samba que está preocupada com fundamento”.

Sobre o quesito dele, o samba-enredo, Celsinho Mody ressaltou que ainda aguarda o direcionamento da diretoria sobre o sistema que será para o desenvolvimento da melodia. Mas ressaltou que confia plenamente no trabalho da agremiação e explicou um pouco como funcionam as etapas na Tatuapé.

“Não tenho dúvidas que o samba vai ser maravilhoso, que a escola tem um crivo muito bom. E o crivo da escola aqui são as pessoas, você vê que ninguém sabe qual vai ser o samba do Tatuapé. Mas a galera daqui já sabe, todo esse pessoal que você viu lá embaixo, dificilmente você vê em outras escolas, é o pessoal da comunidade daqui. Eles votam, escolhem o samba, quando tem junção falam a parte que querem, e a diretoria abraça isso, potencializa o pedido da comunidade. Que é o nosso papel, potencializar as melodias, letras, tenho certeza que vira um grande samba, não sei como será o formato, a diretoria ainda vai passar, mas tenho certeza que será um grande samba e olha, uma comunidade feliz é 50% do caminho andado”.

O presidente Eduardo Santos disse sobre o samba-enredo: “A gente ainda não definiu se vai ter disputa de samba, vamos começar a definir a partir de agora. Acho que a gente não deve mudar muito aquilo que a gente sempre fez. Nós abandonamos a eliminatória tradicional, de quadra aberta, há muito tempo – e não vamos voltar a isso pelo menos por enquanto. Pode ser que tenhamos alguma mudança mesmo tendo um processo interno de escolha, mas isso ainda não está definido. Vamos definir na próxima semana e todo mundo vai ficar sabendo”.

Alegria também em Mata de São João

O secretário de Turismo e Cultura da Mata de São João, Alexandre Rossi, marcou presença no evento da Acadêmicos do Tatuapé, fez um discurso no palco e falou com o site CARNAVALESCO sobre o contato rápido com a agremiação que deu casamento perfeito para o enredo em 2024.

“Foi um contato muito rápido! O Paulinho, meu amigo de Paraty, quando eu contei pra ele a história do nosso município, que remete à colonização do Brasil, de Garcia d’Ávila, do gado, do petróleo e do turismo, disse que eu poderia contar tudo isso para o pessoal da Tatuapé. Fiz isso às oito horas da manhã de um dia, e, às dez da manhã, o Higor [Silva, um dos presidentes e mestre de bateria da escola] já me mandou o projeto pronto. Tomei um susto! Ele disse que não tinha tempo a perder. Ele pegou um avião e ficou três dias com a gente. Ele me encantou! Ele gostou muito do que viu lá, e eu gostei da pegada da Tatuapé, da sustentabilidade e da reciclagem. Esse foi um gancho fenomenal para que a gente fechasse a parceria”.

Um dos motivos da união entre Mata de São João e Paraty foi justamente a forma que a Tatuapé aborda temas CEP no carnaval paulista. Assim surgiu a conexão, como contou o secretário Alexandre Rossi.

“Ajuda saber que a Tatuapé é uma escola acostumada a falar de locais. A Tatuapé tem a mesma pegada de Paraty e de Mata de São João com a sustentabilidade e com toda a história que temos. Garcia d’Ávila, por exemplo, tinha o maior latifúndio do mundo, que ia do Piauí até o Maranhão. Eu já estou visualizando os carros alegóricos com Garcia d’Ávila, com caramuru, e Catarina Alves Paraguassu. Agora é com eles, vou deixar eles criarem essa história”.

O apoio da cidade e de outras vias para patrocinador do carnaval da Acadêmicos do Tatuapé vai sendo construído como explicou o secretário da Mata de São João.

“Estamos entrando com um apoio no Fundo Municipal de Turismo, diretamente da Prefeitura, e outros projetos através da Lei Rouanet. Já estamos com uma carta de intenção da PetroReconcavo, empresa que explora o petróleo na nossa região. Aqui em São Paulo, também temos a Lei de Incentivo do ISS. O Tivoli tem um espaço na Praia do Forte e, também, em SP, o Tivoli Mofarrej”.

Encerrando com alegria, Alexandre Rossi mostrou otimismo com o enredo desenvolvido em conjunto, fez até trocadilho sobre o que está por vir na parceria.

“Nada acontece por acaso. Nós estamos na Tatuapara, o tatu bola. Eles são o Tatuapé, o caminho do tatu. De Tatuapara para Tatuapé, a gente vai ser campeão”.