InícioGrupo EspecialAlegoria do desfile do Salgueiro denuncia descaso dos militares com os Yanomamis

Alegoria do desfile do Salgueiro denuncia descaso dos militares com os Yanomamis

A alegoria lembra a criação da Transamazônica, construída durante a ditadura militar

Terceira escola a desfilar no Grupo Especial do Rio, neste domingo (11), o Salgueiro apresentou o carro com a fantasia chamada “O exército da morte”, denunciando como os militares contribuíram para a destruição de Hutukara.

“A alegoria mostrou a parte mais trágica do enredo: as doenças, o garimpo ilegal e tudo de ruim que foi feito”, explicou o diretor de destaques da escola, Eduardo Pinto, de 58 anos, ao ser questionado sobre o significado da quarta alegoria.

O carro, colorido em tons de vermelho, verde, preto e branco, mostrou esculturas dos nativos em estado avançado de desnutrição, além de diversas caixas representando os minérios que são roubados na Amazônia. Através de caveiras e urubus, significando a morte, a alegoria denunciou as consequências dos crimes ambientais.

Na edição de 2024 do Carnaval, o Salgueiro escolheu os Yanomami como foco de sua celebração. A tradicional escola de samba da Tijuca destacou as comunidades indígenas brasileiras em sua narrativa.

A alegoria lembra que a morte dos povos indígenas começa com a abertura da estrada Transamazônica, feita durante o golpe militar. Eduardo explicou o significado do carro: “É a parte trágica do próprio enredo. Tudo de ruim que está sendo feito pelos brancos a esse povo originário, desde a abertura da Transamazônica. É por isso que tem esses detalhes lembrando o exército”.

“Meu pai não vai gostar. Minha família é toda militar e eu estou saindo no carro do exército do mal”. É o que explicou Juliana Kmiciak. A gerente de projetos desfila na escola há 4 anos e disse de maneira bem humorada que vai ser “deserdada pela família”.

“Há um ano atrás a gente via as tragédias que passaram o povo Yanomami. O número de mortes, em relação ao ano passado, diminuiu, mas ainda assim continua altíssimo e o descaso ainda é muito grande”, denunciou Juliana. “Quando você vê as imagens, você se choca. Então o carnaval vem também para te fazer refletir, ver aquilo de maneira colorida, alegre, mas vai te fazer pensar”, completou.

O desfile levou o nome de “Hutukara”, termo da língua yanomami que se refere ao “céu original a partir do qual se formou a terra”, com a intenção de homenagear a cultura e as histórias mitológicas Yanomami, além de enfatizar a importância da proteção da Amazônia.

“Estamos aqui para falar sobre o nosso Brasil. Os nativos foram muito massacrados e o Salgueiro está aí levantando essa bandeira”, disse a funcionária pública Juliana Paz, de 29 anos, ao ser questionada sobre a importância da alegoria. “O Brasil pertence aos índios, os portugueses que vieram e colonizaram. Só que a nossa essência são indígenas, não os europeus. Então o salgueiro está trazendo essa essência”, defendeu.

- ads-

Entrevistão com Solange Cruz, presidente da Mocidade Alegre: ‘Gosto muito de trabalhar em prol do carnaval, mas acho que tudo tem que ser saudável’

Em 2024, a Mocidade Alegre conquistou o bicampeonato consecutivo do carnaval de São Paulo. Foi o 12º título da Morada do Samba, que assumiu...

Navegando pela Verdade: A Cruzada da JetX Bet Contra a Desinformação Digital

Revelando o Dilema da Desinformação Digital As informações se espalham como incêndio pelas mídias sociais e outras plataformas on-line no mundo digital de hoje, mas...

Tuiuti apresenta direção de carnaval e harmonia para o Carnaval 2025

O Paraíso do Tuiuti apresentou a direção de carnaval e harmonia para o desfile do ano que vem. Veja abaixo a publicação da escola. "O...