InícioSão PauloAbrindo ensaios técnicos no Sambódromo do Anhembi, Camisa Verde e Branco faz...

Abrindo ensaios técnicos no Sambódromo do Anhembi, Camisa Verde e Branco faz treino seguro, mas com pontos a melhorar

O primeiro ensaio técnico no Sambódromo do Anhembi foi da Camisa Verde e Branco, a agremiação que cantará ‘Invisíveis’ em 2023 está no Grupo de Acesso I e busca o retorno para o Grupo Especial que não disputa desde 2012. Um ponto é que a escola não veio tão grande, fez um treino sem erros graves, buscando ser compacta, mas o canto e evolução no primeiro setor ficaram devendo na apresentação. O Camisa Verde e Branco será a terceira escola a desfilar no domingo, dia 19 de fevereiro, antes disso tem mais dois ensaios técnicos marcados nos dias 21 de janeiro e 03 de fevereiro. * VEJA AQUI FOTOS DO ENSAIO

Comissão de Frente

A comissão de frente veio em grande número e fez uma dança que despertou os olhares do público. Em um determinado momento, um destaque que ficava interagindo com seus companheiros na dança e geralmente estava à frente de todos, era erguido pelos homens, em uma alusão a cruz, e as mulheres ficavam ao redor dos dançarinos, formando um círculo.

Fotos de Fábio Martins/Site CARNAVALESCO

Lembrando que o tema é sobre os ‘Invisíveis’, então, teremos surpresas do coreógrafo Jonathan Paulino. A dança foi bem interativa e no sincronismo nos passos dos componentes. Pois alinhavam hora pelo meio com todos, hora dividia uma parte para cada lado da pista ou mesmo duas fileiras pelo meio com agachamento e movimentando as mãos todos ao mesmo tempo. O uniforme foi bem variado, camisas de times de basquete e até de futebol.

Mestre-sala e Porta-bandeira

A chuva e o vento começaram durante a apresentação do “Trevo”. O casal vestido de branco e dourado com detalhes verdes, Alex Malbec e Jessika Barbosa, fez uma passagem de muita conexão, toques e olhares chamaram atenção. As apresentações no primeiro setor foram dentro do esperado e levaram o público com o sorriso e a interação com o público principalmente no Setor B que começava a lotar naquela altura. Driblaram o percalço que estava o vento, o principal desafio neste ensaio. O ponto positivo na dança com certeza foi o sincronismo de modo geral, e a apresentação do pavilhão durante o percurso com todo um ritual de conexão.

Harmonia

O primeiro setor da escola cantou pouco, era muito baixo escutar desde a comissão de frente até a Velha Guarda que veio no meio da escola. Depois vieram setores animados e interagindo mais com o sorriso no rosto. Um setor que despertou atenção foi a ala coreografada, logo após o primeiro casal, eles davam as mãos em trechos do samba e se unia em referência a ‘igualdade e respeito’, bem representativo.

Além da ala bem animada das passistas plus size que veio no final, e das passistas que mostraram muito samba no pé, levantando público. A ala que foi destaque pela animação e canto foi ‘Ala o Samba é o nosso ideal”. A ala das baianas veio de branco e passaram por cima de qualquer chuva, rodaram e interagiram sendo aplaudidas pela arquibancada. A velha-guarda de verdão, roupa linda, foi bem simpática na sua passagem, assim como a ala das crianças. Na sequência das crianças, uma ala com a bandeira do Brasil, o samba tem um trecho que fala ‘Brasil, verás que um filho teu não foge a luta’.

Evolução

Com uma comunidade mais enxuta, o “Trevo da Barra Funda” fez um ensaio seguro e próximo dos setores, sem deixar espaços entre eles. Mas ao mesmo tempo, faltou mais interação e um desfile mais leve no primeiro setor, ou seja, um único ritmo da escola. Por um momento estavam em um ritmo mais lento que o restante que veio mais animado e solto.

Tem pontos a melhorar por conta disso, precisa ter uma conexão geral entre todos os setores da escola. No mais, terminou o ensaio sem riscos no tempo, dentro do cronograma, afinal com as alas bem próximas umas das outras, evitando assim erros.

Samba

Parceria Clóvis Pê e Igor Vianna, recém chegado, desenvolveu uma troca no esquenta e durante o samba mostraram entrosamento diria que promissor para uma dupla iniciante junta. Mas, após o desfile, Clóvis Pê se desligou da escola por não se alinhar com o novo intérprete, relatou em nota na rede social: “Resolvi ver como seria o ensaio técnico, o primeiro ensaio com o grande intérprete Igor Vianna, e nossos perfis são muito diferentes” e em outro momento da carta disse: “Não tenho problema em dividir microfone, mas tem que ter o mesmo perfil vocal e muitas outras coisas que só quem divide sabe. Não cabe a quem não entende de música e a importância da ala musical questionar minha decisão”.

Sobre o samba ressalta muito toda a temática de resistência, e, portanto, tem trechos como “Até quando a pobreza irá sustentar, a riqueza de homens que assolam o país? E o Camisa é a força de expressão. E a Barra Funda um canto que nos faz feliz”. Fatores que realmente alavancaram a comunidade, seja no canto ou também na expressão dos componentes, conseguiram trazer a mensagem do enredo neste samba. Ou seja, essas partes do samba trazem muitos sinais de resistências como “Contra todo opressor. Nossa fé é munição. Resistindo com amor, pela nossa Nação. Em cada livro se escreve a esperança, pro futuro da criança”, as alas simbolizavam cada um com as mãos, seja o punho levantado, batendo no peito, e outras maneiras.

Outros destaques

A bateria da “Furiosa da Barra”, comandada por mestre Jeyson Ferro, passou na segurança seguindo o ritmo do samba que tem seu destaque no refrão quando a escola canta mais forte no toda ‘força de expressão’. Fizeram uma passagem tranquila, sem ousar muito nas bossas, fazendo dentro do regulamento e sustentando o samba.

A musa da bateria, Hariadne Diaz veio com um look branco com dourado que despertou atenção, e uma espada nas mãos. A rainha Shopia Ferro apostou no verde, cores da escola, e com notas musicais e o trecho do samba “Brasil verás que um filho teu não foge a luta”, e outra parte com “Igualdade e respeito” quando abria os braços, bem marcante. Junto com elas, um componente com o pandeiro na mão brinca bastante com a musa e rainha, também com a bateria, sendo outro destaque no setor.

O carnavalesco Renan Ribeiro (foto) é sempre muito atuante no desfile, na comunidade, participa de setores, fala para a comunidade, e ela retorna com o tradicional “Salve”.

- ads-

Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues assumem Comissão de Harmonia no Arranco

Para o Carnaval 2025, o Arranco contará com uma Comissão de Harmonia formada por Jackson Carvalho, Marcelinho Emoção e Fabão Rodrigues. Jackson Carvalho começou sua...

Vizinha Faladeira será homenageada com conjunto de Medalhas de Mérito Pedro Ernesto

No próximo dia 23 de abril, a histórica Associação Recreativa Escola de Samba Vizinha Faladeira, uma das pioneiras no cenário do carnaval carioca, terá...

Jorge Silveira exalta preparação da Mocidade Alegre para ganhar duas categorias no Estrela do Carnaval: ‘São Paulo cada vez mais competitivo’

Em 2024, a Mocidade Alegre foi bicampeã do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, conseguindo unir beleza e facilidade de leitura para tratar...