InícioGrupo EspecialPor dentro dos ritmos: Saiba detalhes sobre a bateria da Unidos do...

Por dentro dos ritmos: Saiba detalhes sobre a bateria da Unidos do Viradouro

Mestre Ciça planeja integrar sonoridade do timbal à bateria 'Furacão Vermelho e Branco'

A bateria “Furacão Vermelho e Branco” possui algumas identidades específicas, como um ritmo mais para frente com uma afinação de surdo mais pesada e um naipe de caixas consistente, que somado ao balanço das terceiras contribuem na pegada valente e com pressão, característica do ritmo no bairro do Barreto. Uma tradição musical da bateria da Viradouro é a mescla dos toques de dois por um (2×1) e três por um (3×1) na ala de tamborins. Essas batidas mescladas impulsionam positivamente no toque das caixas de guerra.

Segundo Ciça, um tamborim bem tocado fazendo dois por um (2×1) de forma limpa tende a casar com a batida de caixas, dando ainda mais projeção sonora ao referido naipe. Para o carnaval 2023, ele afirma que a bateria estará mais cadenciada, optando por um andamento por volta de 144 bpm, permitindo a perfeita fluência do melódico e inspirado samba-enredo. O lado desafiador da bela obra da escola de Niterói está sendo tratado com carinho, cada vez mais ajustando a musicalidade para possibilitar o melhor tanto para a dança, quanto para o canto da agremiação.

Ciça se considera um mestre de bateria popular, que faz ritmo não somente para ser avaliado por julgadores, mas também preocupado em se apresentar para o público. Pode ser dito que interagir com o povão é parte indissociável da personalidade musical de mestre Ciça. Seus trabalhos costumam unir aspectos técnicos de ritmo com espontaneidade, garra e alegria de seus ritmistas.

A bateria da Viradouro pretende realizar até quatro bossas no carnaval 2023. Os arranjos musicais foram pautados em ritmistas tocando timbal (serão quatro com o instrumento no desfile oficial). Vale ressaltar que os timbales não serão responsáveis somente pela execução das paradinhas, se encontrando plenamente integrados à musicalidade da bateria, realçando as nuances melódicas durante as passagens do samba. Um acerto cultural relacionado ao enredo, que provoca uma sonoridade destacada.

A relação de parceria com Zé Paulo Sierra se encontra consolidada, revelando uma integração que mais se assemelha a um casamento musical, de tão coesa. O grito “Vai, Ciça”, do intérprete oficial antes de começar o samba do ano, já é uma das marcas de interação popular dentro da agremiação.

Mestre Ciça afirma que Zé Paulo Sierra auxilia durante o processo de construção musical, inclusive emitindo sua opinião. Ciça aproveita a oportunidade para estender sua consideração e respeito ao diretor musical Hugo Bruno, que tem contribuído imensamente com a agremiação. Além de um profissional que conhece a cultura da escola, também ajuda de forma considerável no processo de desenvolvimento da musicalidade.

O saldo positivo do último ensaio do ano de 2022 envolveu muito além de um clima de festejo natalino. Diz respeito a uma comunidade feliz que além do brilho no olhar, também possui a sensação de valorização e carinho por parte de uma escola de samba que cada vez mais mostra sua vertente acolhedora, praticamente familiar.

- ads-

Flávio Campello celebra prêmio Estrela do Carnaval de 2024 da Tom Maior: ‘Nossa escola tem uma alma guerreira’

No carnaval de 2024 a Tom Maior realizou no Sambódromo do Anhembi um desfile que se destacou pela exuberância plástica. A criatividade no uso...

Rock in Rio e Diogo Nogueira levam projeto do Clube do Samba para o Global Village

Novidade na Cidade do Rock, o Global Village vai emocionar todo o público presente nesta edição que celebra os 40 anos de história do...

Wallace Palhares explica andamento das conversas para construção da Cidade do Samba 2

Presente na festa de premiação do Estrela do Carnaval 2024, no domingo, no Imperator, no Méier, o presidente da Liga-RJ, Wallace Palhares, discursou na...